6.4.05

O Caso dos Descontos

Todo mundo sabe que eu sou pão-dura e desconfiada, mas o que poucas pessoas sabem é que realmente vale a pena sê-lo. Eu e o Leo fomos comprar móveis na loja mais chique da cidade e, por um golpe de sorte, a temporada de superdescontos estava começando. Outras pessoas ficariam felicíssimas com isso e nem se preocupariam em checar coisas pouco importantes como preços e percentuais de desconto, mas eu não consigo.

Nossas aventuras começaram com uma estante composta de torres e rack de televisão. Havia duas etiquetas: a "estante completa" e a "rack". Tínhamos ido lá na semana anterior e a vendedora havia nos informado que, como queríamos comprar só as torres, ela diminuiria o valor "rack" do valor "estante completa". A vendedora nova nem percebeu essa sutileza. Pedi pra ela checar e enquanto isso o Leo me dizia discretamente (pelo menos agora eu o treinei para não me contradizer em público :) que o valor era o maior mesmo.

Minha capacidade de localizar-me geograficamente é péssima, mas a minha memória visual é ótima. Bati o pé que o desconto existia, sim. Usei outra estante como comparação. E a vendedora voltou dizendo que eu tinha razão. Ou seja, escapamos de pagar 660 reais a mais!

Outras pessoas ficariam satisfeitíssimas com a vitória e nem se preocupariam em checar a nota fiscal depois que saíssemos da loja, mas eu não consigo. Escolhemos tudo que queríamos e a vendedora nos deu 18,5% de desconto sobre o total, porque íamos pagar à vista e eu dei uma choradinha. Ficamos felizes e fomos pra casa alegrinhos, mas logo comecei a desconfiar dos valores. Primeiro porque, no ano passado, a supertemporada de descontos dava 23,5%. E depois porque a cômoda que a gente comprou tinha uma etiqueta gigantesca dizendo que ela custava menos do que a gente tinha pago.

Não deu outra: no dia seguinte voltei lá, e eu tinha razão. Não tinham contado para a nossa vendedora que o desconto total era quase de 25% . No fim das contas, consegui de volta 260 reais. Nada mal para um dia de trabalho!

PS: aposto que a Isa vai comentar: "O problema das pessoas que compram móveis é que elas começam a achar que a compra de móveis é um assunto interessantíssimo." É que eu deixei um contário exatamente igual a esse no blogue dela. Só que "pessoas que compram móveis" era "pessoas que fazem regime". E "compra de móveis" era "comida".

Um comentário:

DaniMarco disse...

Em que loja estão os fantásticos descontos?? Quero comprar móveis também! (se vc vier pra cá me assessorar quanto a variações tonais e olhar a nota pra ver se tem o desconto certo, eu faço brigadeiro procê!)