22.6.05

O Caso dos Lençóis

Quando eu e o Leo casamos, surgiu um problema inesperado: eu não conseguia mais dormir direito.
É verdade que que os lençóis são gigantescos. Também é verdade que a nossa cama é grande e possui “molas encapadas individualmente” para que o movimento de uma das pessoas não incomode a outra. Mas, mesmo assim, lá pelo meio da noite, eu acordava com o Leo se mexendo. Ou puxando o lençol, no qual, segundo ele, eu me enrolava como um carretel. Fora a vez que eu acordei de um pesadelo e fiquei escutando um barulho estranho que me deixava cada vez mais apavorada, até eu perceber que era o Leo respirando.
Cheguei a pensar que eu estava destinada a dormir mal. Que a única solução seria cortar o lençol no meio, porque aí cada um ficava com o seu – mas então o que fazer com o edredom?
Nem um mês depois e eu já estava dormindo igual a uma pedra.

4 comentários:

DaniMarco disse...

É incrível como nos acostumamos com tudo... Exceto com cotoveladas. É impossível se acostumar com cotoveladas...

Anônimo disse...

Achei uma ótima solução: colocar um lençol para cada um, aí todos os dois dormem bem, sem nenhum puxa puxa de lençol!
Thaís

* Isa * disse...

acho que vou ter esse mesmo problema... mas dormir como uma pedra é comigo mesmo! =)

Ayane disse...

Acho que nunca vou ter esse problema. Nem ninguém vai ter esse problema comigo. Eu durmo como uma pedra. Pode acender a luz, colocar música, que eu nem tchum. Nem me movo na cama. Fico paradinha. E não emito sons. Acho que foi graças ao treinamento de dormir com irmã no mesmo quarto há 18 anos...
bjus