29.6.05

O Caso dos Telefones

Levei meu celular na viagem, mas ele ficou desligado o tempo todo. Carreguei o peso só porque eu queria ligar para o Leo quando chegasse ao aeroporto de Confins, pois ele me preveniu que todo mundo que vai a São Paulo tem o telefone clonado. Mesmo que você nem use. Mesmo que ele esteja só ligado! E não é lenda urbana, não: o irmão dele e a cunhada passaram um fim-de-semana em Sumpaulo e foram clonadíssimos. Sendo que ela nem fez ligações.
É claro que eu estava contando com o telefone do hotel e dos telefones dos meus companheiros de viagem para me comunicar com a humanidade. Não que eu seja egoísta e não me importe com o fato de eles serem clonados, mas é que os dois têm celular de cartão. E quem quer piratear celular de cartão?
No fim das contas, o hotel só tinha telefone fora do quarto (um orelhão em cada andar!) e os celulares dos meus companheiros de viagem estavam sem créditos (um deles) e sem bateria (o outro). Até que dava pra fazer ligações do orelhão, mas e receber mensagens?
Fiquei ligando para a minha amiga Lili do corredor mesmo, usando cartão e pijaminha do Mickey. Um luxo.

Um comentário:

Julio Yoshinari disse...

Algumas considerações sobre seu post:
1º. É verdade, clonaram meu telefone 2 vezes que fui em Sampa;
2º. Clonam telefone pré-pago também, pois clonaram o do meu irmão (em São Paulo);
3º. A melhor parte: até hoje não conseguiram clonar telefones GSM, que é o seu caso. Por isso troquei o meu telefone também :)
[]'s