4.7.05

O Caso da Liberdade (Dia 2)

No domingo nos abalamos para o bairro da Liberdade para ir à feira. Acabamos pulando as barraquinhas e indo ao mercado de produtos japoneses e na loja de quimonos. No mercado, as etiquetas em japonês fazem você se sentir totalmente analfabeto, uma experiência muito interessante. Não resisti e comprei lindas tigelinhas japonesas de cerâmicas com ideogramas (nem idéia do que significam). Na loja de quimonos, também não teve jeito: eles são caros, mas tão lindos!
E não parou por aí: também adquiri uma capinha de celular de cetim azul-turquesa e uma bolsa-carteira violentamente lilás. Todos com motivos orientais. Em suma, se eu ficasse mais tempo por lá, nem o cartão mágico do Leo dava jeito.
(Pausa para explicar o cartão mágico: há uns anos atrás, quando a gente ainda nem era noivo, o Leo fez um cartão para mim da conta dele no Itaú. É claro que eu nunca usei – não foi à toa que ele me deu o cartão! – mas um dia desses precisei e lá estava ele na minha carteira! E é mágico mesmo: eu uso, mas não pago :)
Usamos o metrô para ir e voltar. Ele é limpo, confortável, e muito organizado. (Momento esnobe horrível: lembra muito o de Paris). Como era domingo, ele também estava vazio. Muito bom, porque estávamos carregando milhares de sacolas.
Depois encontramos a Lili e o André para almoçar. Esqueci o nome do restaurante, mas ele tinha um gnocchi ótimo! Eu queria ir na exposição de Tesouros da Coroa Russa, mas a Dani e o Marco desanimaram e eu a Lili resolvemos ir na Fnac, uma livraria gigantesca e fantástica. Lili me apresentou ao Francino, um café com caramelo e quatro dedos de chantilly. Minha taxa de açúcar no sangue ficou tão alta que quase tive um troço, mas resisti bravamente.
Foi bom porque conversamos loucamente. É engraçado: tem amigos que você reencontra depois de meses e o papo rola como se vocês tivessem se visto ontem!
Aí voltei para o hotel para me preparar para O Fantasma da Ópera. Detalhes no próximo post!

3 comentários:

Anônimo disse...

arg! conta logo do fantasma da ópera! =)
(vcs não foram ver as jóias da coroa russa? que sem graça. bleh)
*isa*

Anônimo disse...

Eu tb me senti da mesma forma, amiga! Conversamos como a gente sempre conversava nas cafeterias de BH (suspiro). Acho q o q ajuda a estarmos sempre próximas é q a gente nunca deixa de se falar, seja por e-mail, msn, telefone e nossos blogs. Bjo!
Lili

* Isa * disse...

ah! esqueci de falar. só vou entrar na academia pq eu preciso ficar em forma pra esquiar no fim do ano! na verdade o objetivo mais próximo é que eu consiga entrar nas minhas calças outra vez =)
não é que eu odiasse academia, eu só não queria fazer. e aliás gastei uma preciosa meia hora fazendo o homim me explicar cuidadosamente a diferença entre body kombat, body balance, body jump, body pump, body tem mais só que eu esqueci. mas amanhã escrevo sobre meus primeiros dias na academia! (hm, devia ter escrito um email)