21.12.06

O Caso da Comida

A melhor coisa de fazer dieta é que, quando você sai dela, toda comida fica di-vi-na. Além da fome subliminar que está subjacente a toda dieta, e que aumenta o poder de atração de qualquer prato, acho que a falta de gorduras e açúcares purificar o paladar, porque eu ando sentindo sabores antes insuspeitados.

Hoje a turma do trabalho foi a um almoço especial de Natal, e eu juro que nunca comi um escalopinho ao molho madeira, um purê de batata e um arroz branco mais maravilhosos. Até a musse de maracujá, que é uma sobremesa boa mas sem nada de mais, me deixou nas nuvens. Confesso: eu já nem me lembrava mais que o leite condensado tinha uma textura tão sedosa e um sabor tão acetinado.

Meu paladar está tão afiado que até o meu cereal sem graça (que eu chamo carinhosamente de alpiste) tem ficado com um gostinho final açucarado.

Isso, ou a falta de comida está me dando alucinações.

19.12.06

O Caso das Descobertas

Descobri mais coisas interessantes na internet no fim-de-semana (nenhuma delas animadora):
1) Não é possível perder peso e ganhar músculos ao mesmo tempo. Para perder peso, você precisa diminuir a ingestão de calorias; para ganhar músculo, você precisa aumentar a ingestão de calorias. Ou seja: é um ou outro. O que dá pra fazer é perder peso perdendo um mínimo de músculos.
2) Quanto mais se emagrece, mais difícil fica continuar emagrecendo. Para começar, um corpinho menor precisa de menos calorias pra se manter. Para continuar, os mesmos exercícios começam a queimar menos calorias, não só porque o corpinho está menor, mas também porque ele fica mais eficiente.
Conclusão: como diz minha irmã Isabela, ficar em forma é a mesma coisa do que tentar subir uma escada rolante que está descendo. Você está sempre fazendo esforço, e, se ficar parado, volta para onde veio!
Depois eu começo a ter pesadelos com escadas rolantes e não sei a razão.

18.12.06

O Caso do Sapato Maravilhoso

Sim, eu jurei que nunca mais iria comprar sapatos desconfortáveis. Mas, há duas semanas, fui há uma loja à qual há muito tempo eu não ia (culpa da pós aos sábados) e me encantei com um par de sapatos fantástico.

Ele é feito de pele de cobra, tem o bico mais fino do mundo e um salto dourado altíssimo. É um sapato, assim, de juíza usar na cerimônia da posse. Para completar, o preço era tão bonito quanto o sapato (sim, ele estava na superliqüidação). Resultado: não resisti e comprei o danado.

Vejam bem, não é que tenha sido um compra ruim. O sapato tem vários aspectos positivos. E um só negativo: o salto 15, que não ajuda. Sabem a história da sereiazinha, que trocou a voz por um par de pernas, e cada passo que dava era como se tivesse pisando em milhares de alfinetes?
Pois é, ontem usei o sapato e me senti a própria sereiazinha.

15.12.06

O Caso dos Ovos Mexidos Bizarros

Minha faxineira é uma fofura. Ela está sempre descobrindo maneiras de maximizar os utensílios domésticos. Volta e meia ela desenterra alguma coisa esquecida e põe para usar, o que eu acho ótimo.

Ontem cheguei em casa e me deparei com um vidrinho para queijo ralado transformado em saleiro. Normalmente, a gente guarda o sal numa grande vasilha com tampa, e toda vez que precisamos salgar alguma coisa temos que resgatá-la do armário que fica debaixo da pia. Então, achei o saleiro uma idéia excelente.

Hoje de manhã o Leo fez ovos mexidos para mim. Como eu gosto das coisas salgadinhas, levei meu novo saleiro para a mesa toda satisfeita. Joga sal daqui, joga sal de lá, e nada do gosto dos ovos mudar. Ao contrário – eles estavam ficando cada vez menos salgados. Fiquei olhando para o saleiro com cara de brava, e então tive um momento de iluminação: ele não estava cheio de sal, mas de açúcar! Como agora eu estou tomando chá, minha faxineira deve ter achado que eu precisava de um açucareiro por perto.

Corri para a cozinha e enchi o prato de sal verdadeiro, mas já era tarde. Foram os ovos mexidos mais bizarros que eu comi.

13.12.06

O Caso da Amarga Verdade sobre Tratamentos de Beleza para o Verão

A meta: ficar esbelta com uma atrizita de Malhação.

O método: tomar chá verde, eliminar os chocolates, e ralar uma hora em cima da bicicleta ergométrica todo dia.

O resultado: peso perdido onde ele faz falta (no rosto) e gordurinhas localizadas ressaltadas (porque o resto do corpo está mais magro).

A esperança: que mais dez dias dessa programação espartana comecem a fazer efeito sobre as diabas das gordurinhas localizadas.

A conclusão: agora eu sei porque as atrizitas de Malhação fazem lipo.

12.12.06

O Caso da Dentista

Inspirada pela Lili e pelo fato de que fui ao dentista ontem, farei um post odontológico:

Dentista antiga:
Consultório lá longe. No mínimo 20 minutos de carro.

Dentista nova:
Consultório aqui perto. No máximo 2 minutos a pé.

Dentista antiga:
Guardanapo no pescoço.

Dentista nova:
Cadeira que faz massagem.

Dentista antiga:
“Tire esses vinte raios X e volte na semana que vem.”

Dentista nova:
“Não precisa tirar raio X, não!”

Dentista antiga:
80 reais pela limpeza.

Dentista nova:
0 reais pela limpeza (aceita plano de saúde).

Dentista antiga:
“Desse jeito a sua gengiva vai se retrair e seus dentes vão cair!”

Dentista nova:
“Sua gengiva está ótima. Nem está sangrando depois da limpeza!”

Dentista antiga:
“Essas suas raízes estão muito superficiais! Fica de olho!”

Dentista nova:
“Raízes? Não, elas estão jóia.”

Dentista antiga:
“Fique pelo menos uma hora sem comer após a aplicação do flúor.”

Dentista nova:
“...”

Em suma: a dentista nova é muito mais agradável. Mas, se eu continuar com ela, daqui a uns anos não vou ter mais todos os dentes.

11.12.06

O Caso dos Chá de Morango

Como eu estou gostando de chá verde sem açúcar e todo mundo fala que ele é amargo e ruim, imaginei que eu fosse achar os outros tipos de chá simplesmente deliciosos. Ontem fui ao mercado e comprei oito tipos diferentes (não, eu não sou louca: foram duas caixinhas com sabores sortidos).
Cheguei em casa sem saber qual deles eu ia experimentar primeiro: o de hortelã ou o de camomila? O de morango ou de maçã vermelha com canela?
Decidi-me pelo de morango e lá fiquei, toda feliz, vendo a água da xícara virar um vermelho lindíssimo. Na hora de tomar... que decepção. O chá de morango tem gosto de... chá. E como eu já disse, acho que chá tem gosto de água suja. Com um leve toque de grama ao fundo.

Como explicar, então, que eu goste justamente de chá verde? Tenho algumas suposições:

1) sabe aquela teoria de que os bebês vão preferir para sempre as primeiras comidas que experimentam? Pois é: como o primeiro chá que eu tomei de verdade foi o verde, meus neurônios e minhas papilas gustativas gostam é dele.
2) o gosto do chá verde é bem forte. Ou seja, não me traz à mente nem água suja, nem água de coco (que eu não gosto pelas mesmas razões), nem melancia (idem), nem... chá.
3) o chá verde que eu ando tomando é falsificado: ele é amarelo (ao invés de verde) e gostosinho (pelo menos eu acho). Como chá preto e chá verde vêm da mesma planta, como bem disse a Gaúcha Estudiosa, talvez eu esteja bebendo chá preto enganada.

Mas não temam, porque a epopéia do chá ainda não terminou. Ainda tenho sete sabores diferentes de chá para provar.

8.12.06

O Caso das Conseqüências da Idéia Retardada nº 2

Continuo firme e forte nas 5 xícaras de chá verde por dia. Tô até me acostumando com o gosto e desconfiando que vou virar fã de chá. Essa é a conseqüência boa, porque parece que até placa bacteriana ele combate. Então, se eu incorporar chazinhos no meu dia-a-dia, a experiência terá sido válida.
A conseqüência ruim é que é a segunda noite que acordo às 3 da manhã e fico olhando para o teto sem conseguir dormir. E olha que falta de sono nunca foi o meu problema - ao contrário! Tô desconfiada que chá verde é cheio de cafeína e, como nunca tomo café, meu organismo não está acostumado à substância. Resultado: tô ficando ligadona.
Hoje à noite vou deixar um livro de direito do trabalho ao lado da cama. Vamovê se a insônia resiste à prosa imortal do Godinho Delgado.

7.12.06

O Caso de Vestibular

O Leo fez vestibular pra computação, ficou em 2º lugar, e ainda tirou 10 na redação.
Agora começa a luta para ele fazer 2 períodos por semestre, estudando de manhã e à noite.
O argumento mais forte que apresentaram até agora para impedirem é que “isso nunca foi feito antes”. Só que nós não temos culpa se os calouros até agora era burrinhos, sem ambição, ou ambos.
Ele conseguiu se matricular no 1º período. O coordenador do curso disse que é assim mesmo: depois que examinaram o pedido de eliminação de matérias que ele protocolou vão chamá-lo para acertar o horário, e aí ele pode pedir as matérias do 2º período.
O pior é que só vão chamá-lo lá pelo meio de janeiro.
E a minha ansiedade, como é que fica enquanto isso?

6.12.06

O Caso da Idéia Retardada nº 2

Li no site da revista Boa Forma que o chá verde é a oitava maravilha do mundo: é cheio de antioxidantes, faz bem para a pele, acelera o metabolismo e queima gorduras. E que você, leitor inocente, pode perder 5 kg em 15 dias com a dieta do chá verde!
A dieta do chá, em si, é tosca: um cardápio diário de 1.300 calorias acompanhado de 5 xícaras de chá verde.
(Não, eu não pretendo fazer a dieta do chá verde. Primeiro porque dieta de revista é o fim da picada: uma só para todas os leitores, ignorando solenemente as diferenças de altura, peso, composição corporal e idade. Segundo porque 1.300 calorias por dia é coisa de monge tibetano jejuador, e eu não cheguei nesse nível. Ainda.)
Mas a idéia do chá verde me agradou, porque eu detesto verduras e legumes e o tal chá, como eu já disse, é cheio de antioxidantes. E ainda acelera o metabolismo! Logo imaginei (é incrível como as idéias retardadas se formam rapidamente) que, cortando os chocolates e balas e bebendo 5 xícaras de chá verde por dia, em 15 dias eu ia ficar, como diz minha irmã Isabela, um chuchu.
É verdade que, pelo site, já dava para desconfiar que chá verde é uma bela de uma gororoba, porque havia uma matéria especial só para ensinar os leitores a deixá-lo menos amargo e mais bebível. Além disso:
- eu não sou fã de chá. Acho que tem gosto de água suja;
- o fogão da minha casa não funciona faz um mês.
Mas as idéias retardadas não conhecem obstáculos. Raciocinei que, por mais amargo que o tal chá fosse, não podia ser pior que o chá de boldo que eu tomei na última viagem à praia; além disso, tampar o nariz e virar uma xícara de chá é bem melhor do que mastigar verduras e legumes de texturas pegajosas. E eu tinha o forno de microondas para ferver a água.
Fui ao supermercado, comprei o tal chá, e ontem mesmo tomei duas xícaras da poção milagrosa. Conclusões:
1) o gosto não é tão ruim assim. É muito melhor que um prato de xicória afogada. Esses leitores da Boa Forma são uns fracotes!
2) qualquer fulano emagrece com o tal do chá verde acompanhando as refeições. Uma xícara são 200 mililitros (praticamente um copo). Enchendo a barriga de água quente, não sobra muito espaço pra comida mesmo!
Vamos ver por quanto tempo eu agüento tomar um litro de chá verde por dia.

5.12.06

O Caso da Idéia Retardada

Ok, confesso: sempre malhei pessoas que acham que jejuar o dia inteiro vai deixá-las esbeltas para uma festa à noite, ou que passar uma semana comendo só abacaxi é a melhor maneira de se livrar dos quilinhos em excessos causados pelas comemorações de fim de ano. Mas o mundo dá voltas, e eis que tive minha própria idéia retardada: acordar todos os dias mais cedo para fazer vinte minutos de bicicleta antes do café-da-manhã, para estimular o metabolismo.

Eu explico: vocês sabem que faz um tempo que ando paquerando a academia, querendo e não querendo voltar para os braços dela. Há uns dias, decidi que ia começar assim que eu saísse de férias em janeiro, porque aí poderia ir todos os dias, e no horário mais vazio, de maneira a fazer a transição da maneira menos dolorosa possível.

Só que de repente surgiu a chance de passar o Ano-Novo na praia. E aí, aquelas gordurinhas que são invisíveis quando você está vestida passam a ser uma grande preocupação.

(Parêntese para esclarecimentos: sim, eu sei que existem preocupações mais graves nessa vida. Prometo que daqui a pouco me preocuparei com a paz mundial. Assim que eu estiver em forma.)

Minha primeira idéia retardada foi entrar imediatamente na academia e bater ponto nela diariamente. Mas, considerando que eu tenho apenas 17 dias, concluí que não ia adiantar muito, já que músculo algum se desenvolve em tão pouco tempo. Então, resolvi utilizar os 17 dias fazendo muitos, muitos exercícios aeróbicos, que são os que eliminam as gordurinhas mesmo.

Como eu trabalho o dia inteiro, só tenho a noite para me dedicar à boa forma. A noite... e a madrugada. Hoje acordei as 6:20 da matina para pedalar.

Sim, eu sei que é uma idéia retardada. O problema é que as idéias retardadas sempre parecem brilhantes.

4.12.06

O Caso do Vestido Infinito

Na minha busca incessante pela mala perfeita, descobri outra coisa legal: o Vestido Infinito. Ele é uma única peça de roupa, mas vira vários modelos: o cumprimento da saia e o tipo de decote é você que escolhe.

Na verdade, o Vestido Infinito é um tubo de pano com duas tiras longuíssimas saindo da parte de cima. Dobrando e enrolando, você transforma as tiras em alças, mangas e decotes, e o vestido fica do jeito que você quer.

Resumindo, ao invés de levar na mala três ou quatro vestidos, e o mesmo número de blusas e saias, você leva só o Vestido Infinito. Igreja italiana na qual alcinha não entra? Manga e a saia midi. Passeio em praia do Caribe? Ombro só e minissaia. Noite de gala em Paris? Tomara-que-caia e saia longa.

Mesmo se a viagem for longa, você não precisa se preocupar: em teoria o Vestido Infinito não amassa e seca rápido. Então, dá pra lavá-lo à noite no quarto de hotel, e ele vai estar pronto para usar no dia seguinte.

Você pode comprar essa maravilha pós-moderna pela internet. Custa 200 dólares (sem o frete). Ou você pode infernizar sua própria mãe para ela fazer o Vestido Infinito pra você (plano B).

Assim que ficar pronto eu aviso se deu certo.

1.12.06

O Caso da Ansiedade

Descobri que sou ansiosa, muito ansiosa. Quero resolver minha vida toda, agora, e rápido. Quero ter certeza do clima do fim do mês, da cotação do dólar no fim do ano que vem e do salário com que vou me aposentar. Quero um calendário mágico que me diga quanto tempo vou ter que estudar para passar em outro concurso, quanto tempo vou ter que ficar na academia para entrar em forma, e quanto tempo vou precisar para dominar essa ansiedade e virar uma pessoa calma e contente.

O pior é que, não satisfeita de me afligir com os rumos de minha própria vida (e sem muito motivo, eu reconheço), me aflijo com os rumos da vida do Leo também. Já tenho os próximos três anos de vida dele traçados. Numa planilha.

Já ele não esquenta a respeito de um futuro incerto sobre o qual não temos controle. Mas também, para que se preocupar, se eu me preocupo por nós dois?

30.11.06

O Caso da Remoção Cirúrgica

Eu tenho umas verruguinhas na testa e no queixo (igual a uma bruxa, rárárá) e na última vez que fui ao dermatologista perguntei se ele podia dar jeito nelas. Ele prometeu carbonizá-las e disse para eu encontrá-lo no hospital na semana seguinte.

A palavra “hospital” devia ter-me feito desconfiar. Mas não fez, e lá fui eu, toda boba, porque outra dermatologista já tinha queimado minhas verruguinhas antes, e, embora o processo tenha sido um pouquinho dolorido, não foi nada de mais (embora seja verdade que também não adiantou nada e as verruguinhas voltaram).

Pois bem. Chego lá, entro numa sala ameaçadoramente chamada de “Procedimentos”, e o dermatologista, armado de uma enfermeira, põe luvas, passa álcool iodado nas verruguinhas, e saca uma injeção de todo tamanho.

E a injeção era só para anestesiar. A eliminação das verruguinhas se deu depois, com um bisturi elétrico e o inevitável cheiro de carne queimada.

Na verdade, a anestesia doeu mais do que a queimadura (porque aí eu já estava anestesiada, claro), mas achei a dor bem danada, e não tenho a menor ambição de repeti-la.

De qualquer maneira, foi tudo bem rapidinho, e em dez minutos eu estava liberada. Chegando em casa, observei que as verruguinhas haviam sido substituídas por baixo-relevos. Acho que o bisturi elétrico chegou na derme. Agora estou passando uma pomada cicatrizante três vezes por dia, e acredito que me livrei para sempre das verruguinhas teimosas.

Só tem um problema: eu tinha três verruguinhas bem pequenas no queixo. Elas continuam lá. Junto com uma cratera que parece estar se recusando a cicatrizar.

Estou muito desconfiada de que, na empolgação, meu dermatologista carbonizou uma espinha.

29.11.06

O Caso do Protesto

Concordo em gênero e número (porque em grau não tem jeito de concordar) com o protesto que a Isa fez no post anterior. Sim, devemos dizer não à ditadura da magreza.

É um plano ótimo, que economiza tempo (gasto na academia) e dinheiro (gasto na academia, no nutricionista e nas comidinhas especiais que o nutricionista vai me mandar comprar). O plano só enfrenta um pequeno obstáculo: a ambição.

Eu estou sempre ambicionando alguma coisa. Algumas ambições, como fazer uma pós-graduação e ver as tulipas na Holanda, dão certo. Outras, como virar uma estrela do tênis, dão errado (e eu tenho a tendinite para provar). E outras mais, como ficar loura e correr quatro vezes por semana, funcionam somente durante algum tempo.

No momento ambiciono entrar em forma. Porque, quando não estou urdindo planos, eu não sou uma pessoa feliz.

E nemo venham me dizer que eu devia ter ambições mais nobres, como ser a primeira mulher astronauta do Brasil ou dominar o chinês mandarim. Eu não mando na ambição, é ela que manda em mim.

28.11.06

O Caso do Retorno

Pois é. Como tem um povo que trabalha comigo que está acordando cinco e meia da manhã todo dia para ir à academia, estou ficando com a consciência pesada. Ainda mais porque a dita academia fica do lado da minha casa.

É verdade que eu larguei porque o ortopedista que diagnosticou meu início de tendinite falou para eu parar na época. Então eu parei para tratar da tendinite, mas logo a fisioterapia encheu o saco, e aí eu nem continuei o tratamento, nem voltei à academia.

Estou com vontade de voltar, e para levar a sério. Porque suar, xingar e perder o precioso tempo que eu gosto de usar lendo romances em inglês e vendo programas trash na tevê a cabo E não ver resultado não dá.

Estou até pensando em ir a um nutricionista para seguir uma alimentação que me ajude a ganhar massa magra. O problema é que eu sou muito enjoada pra comer, e ele provavelmente vai querer que eu adicione brócolis e bolinhos de soja às minhas refeições, e aí, meus amigos, não vai rolar.

22.11.06

O Caso da Mala Perfeita

Cada vez que viajo, tento levar menos coisas. Ou melhor: cada vez que faço viagens longas, tento levar menos coisas. Nas viagens curtas eu levo roupas para cada ocasião e pelo menos três pares de sapatos.

Na verdade, a questão não é a duração da viagem, mas sim a sua mobilidade durante ela. Se você viaja de carro e vai ficar o tempo todo em uma única pousada, dá para carregar o guarda-roupa inteiro. Se você viaja de avião, pega metrô e vai pipocar entre vários hotéis, o melhor é levar uma mala compacta e leve.

Navegando na internet – nas horas de folga, viu, Marco Antônio? – descobri um tipo de mala chamado travelpack. Ele é uma mochila com rodas. Ou seja: você tanto pode carregá-lo nas costas, quando estiver subindo e descendo de ônibus, quanto puxá-lo com a mão, quando estiver indo de um lado para outro do aeroporto. Se você comprá-lo na cor preta, vai ter a agilidade de um mochileiro, mas é só esconder as alças que vão te tratar bem nos hotéis.
Um travelpack do tamanho de uma bagagem de mão tem a vantagem não precisar ser despachado: você simplesmente o leva para o avião, evitando a fila na esteira de malas na hora do desembarque e as violações de bagagem. Por outro lado, o tamanho não é dos maiores. Aí não tem escolha: é reduzir o número de roupas ou reduzir o número de roupas. O que era a idéia mesmo.

Só não descobri exatamente como fazer isso. Acho que a solução vai ser levar uma barra de sabão de coco para uma lavadinha básica nas roupas usadas. Enquanto eu uso a outra blusa e a outra calça que estão limpas.

17.11.06

O Caso do Cabelo LXXXVIII – 2ª parte

A notícia boa é que o tonalizante continua saindo, e o resultado é que as luzes estão perdendo a cor laranja e ficando caramelo. A notícia ruim é que eu fui cortar o cabelo, decidi variar um pouco, pedi uma franja, e o resultado é que eu estou parecendo mais nova do que normalmente pareço.

Sei que tem muita gente que acha que ter cara de nova é maior vantagem, mas eu peço permissão para discordar. Tenta fazer alguém te levar a sério parecendo uma paquita, tenta.

16.11.06

O Caso da Verdade

Eu sempre fui partidária da teoria que, ao conversar com estranhos ou conhecidos poucos, a gente deve concordar com tudo que eles dizem, para ser agradável e não criar polêmica vazia. E, mesmo com amigos, pra quê dar palpite se não pediram sua opinião?
Mas, de uns tempos para cá, ando achando que, se não for pra dizer a verdade – ainda que a concordância seja tão mais agradável – para que se dar a trabalho de conversar?

Pôr em prática essa nova decisão, no entanto, está-se mostrando difícil. Acabei não dizendo a um amigo que NÃO ERA UMA BOA IDÉIA ele alugar um apartamento longérrimo do trabalho. Também me segurei e não disse a uma grávida de três meses que NÃO ERA UMA BOA IDÉIA ela ter tomado um revolucionário preparado multivitamínico que ela mesma estava vendendo.
Talvez seja mais fácil dizer minha opinião antes da pessoa ter feito a coisa não tão brilhante. Porque aí já é tarde demais.

14.11.06

O Caso do Cabelo LXXXVIII

Então o meu cabelo está laranja.

Explico: eu freqüento o cabeleireiro dos três dígitos justamente para evitar esse tipo de situação. Da última vez que fui lá, há dois meses, ele usou um tonalizante castanho para apagar minhas luzes. 4 semanas depois, o tonalizante começou a sair e as luzes ressurgiram. Só que, ao invés de voltarem à vida em seu lindo tom dourado original, elas apareceram em uma nada bonita cor... laranja.

Um cabeleireiro tão chique – e caro! – devia dar um jeito na situação, certo? O diabo é que eu não consigo falar com ele. Antes do feriado, passei no salão, que estava tão cheio de gente que mal consegui conversar com a assistente. Hoje liguei lá e o moço viaja hoje, e a partir de quinta-feira vai estar organizando uma festa (sim, sim, porque o moço é cabeleireiro, estilista e decorador).

Então, até terça-feira da semana que vem, quando finalmente consegui marcar uma hora com ele, meu cabelo continuará... laranja.

13.11.06

O Caso da Santa Ludamila

Eu sou bem atéia (ou agnóstica, dependendo da época), mas não resisti: quando minha irmã foi à República Tcheca, pedi para que ela me trouxesse uma medalhinha da Santa Ludamila.
Para quem não sabe, Santa Ludamila foi uma santa católica, avó do Imperador Venceslau, e ficava convertendo o menino para o cristianismo até que a mãe dele perdeu a paciência e estrangulou a minha xará com o próprio véu da coitada.
Tô achando que ser santo na igreja católica é geralmente um negócio bem desagradável.

10.11.06

O Caso das Religiões

Já que as pessoas que têm fé vivem mais e melhor, com menos doenças físicas e psicológicas, a lógica científica não me deixa opção: tenho que arrumar uma religião.
Sim, eu sei que eu não preciso me filiar a uma religião constituída. Posso simplesmente passar a acreditar na mãe-terra e no sentido místico do universo, mas como eu sou uma pessoa muito racional, estou atrás de uma crença que tenha um mínimo de organização.
Comecei minhas pesquisas pelo judaísmo. De cara, ele já ganhou muitos pontos. Primeiro, porque não acham que só os judeus vão para o paraíso, mas todos os homens (e mulheres) justos. Segundo porque, justamente por causa da primeira razão, não ficam perturbando ninguém para se converterem à sua fé.
Aí a coisa complica um pouco. Os mais liberais aceitam os convertidos, mas os ortodoxos torcem o nariz para os judeus-novos. Para eles, só é judeu quem é filho de mãe judia. E tem mais: judeu de verdade só pode se casar dentro de sua fé. Ou seja – não basta que a minha conversão. O Leo tem que vir a reboque.
Mas problema mesmo é achar um rabino aqui na região para que ele possa me recusar três vezes, como manda a tradição, para ver se estou mesmo decidida.

9.11.06

O Caso dos Sorvetes

Há três sorvetes novos no mercado: Sonho de Valsa, Laka e Diamante Negro. Eles vêm com o letreiro “série especial”, que é para fazer você comprar rápido, antes que acabe. Só que faz uns dois meses que eu ando vendo esses sorvetes, então:
- eles estão fazendo tanto sucesso que a fábrica está fazendo mais;
- eles estão fazendo tão pouco sucesso que o primeiro lote ainda não acabou.
No final das contas, não resisti e comprei. Todos os três.

O sorvete de Sonho de Valsa é gostoso, se você gosta de amendoim. MUITO amendoim. Ele só tem gosto de amendoim. Eu diria maldosamente que sobrou muito sorvete de paçoca da época das festas juninas, então para aproveitar o fabricante pôs calda de chocolate e passou a vender com o nome de Sonho de Valsa, mas eu realmente não sei se existiu o sorvete de paçoca (só o de pamonha).
O sorvete de Laka é gostoso, se você gosta do gosto de nada com bastante açúcar. Deu até choque nas minhas papilas gustativas. Achei que eu tivesse perdido o paladar, mas depois comecei a achar que estava comendo chantilly gelado. O que é bom, se você de chantilly. PURO. E doce.
O sorvete de Diamante Negro é gostoso, se você gosta de chocolate e de pedacinhos de chocolate. Em suma, é o meu favorito.

7.11.06

O Caso dos Vôos

Descobri uma coisa fantástica, dessas que você só descobre quando fica vagando à toa pela internet durante várias horas. É o seguinte: os vôos do oeste para o leste são mais rápidos do que os do leste para o oeste.

É claro que estamos falando de vôos longos e altos, inter ou intracontinentais. E antes que algum mané grite “eu sei! É por causa da rotação da Terra!”, é bom lembrar que o avião está sob o campo gravitacional do planeta, então o fenômeno não tem nada a ver com a gravidade. Não é como se o avião se afastasse da Terra o suficiente para plainar no espaço enquanto o planeta roda debaixo dele.

A causa do fato é o tal do jet stream ou “corrente a jato”, uma corrente de ar muito veloz que ocorre na estratosfera no sentido oeste-leste. Os avião de alto curso aproveitam e pegam carona (ou vão contra a corrente. Literalmente) no ventinho.

Para vocês terem uma idéia, um vôo Los Angeles – Nova Iorque demora 30 minutos a mais do que um vôo Nova Iorque – Los Angeles. Nos vôos intercontinentais, a diferença é ainda maior.
Infelizmente, para quem viaja no sentido sul-norte (do Brasil para a Europa ou para os States e vice-versa), essa informação não é muito útil. Mas que é legal, é.

3.11.06

O Caso do Feriado

Não tem nada melhor do que feriado no meio da semana para ficar à toa. Sim, pois quando o feriado é prolongado, você fica na obrigação de fazer uma megaviagem ou um programa superlegal. Mas, se o seu dia de folga é uma modesta quinta-feira, você fica livre, leve e solta para passar o dia dormindo, vendo programas ruins da tevê, lendo livros repetidos e batendo papo dentro da piscina do clube, o que te faz perder a noção da hora e ganhar lindos ombros vermelhos, porque nem SPF30 não protege minha morenidão intrínseca (que cada vez mais percebo ser uma lenda) do sol das 11 da manhã.

O mais legal é estou um patchwork de bronzeados, porque andei tomando sol com biquínis e maiôs diferentes. Tá engraçadíssimo.

Mas não há de ser nada. No sábado, como não vou ter aula da pós (aleluia!), vou colocar um biquíni reduzido e largatear ao sol. Melhor ser um pimentãozinho uniforme do que uma colcha de retalhos bronzeada.

É só meu dermatologista não escutar isso.

31.10.06

O Caso da Amiga Marromeno

Pois é: quando as minhas melhores amigas esqueceram meu aniversário, meti o pau. E, claro, como deus pune os presunçosos, chegou o aniversário da minha melhor amiga Lili e eu... esqueci.

O pior é que anotei na agenda, em letras garrafais. Mas, chegado o dia... me esqueci de olhar a agenda.

Aí, muito envergonhada, resolvi dar parabéns atrasado... por e-mail.

Sim, eu virei uma amiga muito marromeno. Não, eu não tenho desculpas para esse comportamento. Sim, eu tenho que dar um jeito de me emendar.

Feliz aniversário, amigaaaaa!!!

Prometo que isso não vai acontecer mais.

30.10.06

O Caso do Livro do Pi

Li um livro ótimo ontem: “The Life of Pi” (A Vida de Pi), do Yann Martel. Em suma, é a história de um jovem indiano que, após um naufrágio, se vê em um bote salva-vida com uma zebra, um orangotango, uma hiena e um tigre de Bengala muito carnívoro chamado Richard Parker. Pi sobrevive 227 dias em alto-mar até dar na costa do México. Aí ele tem duas versões da história para contar.

O final do livro tem uma reviravolta louca à la “Sexto Sentido”, do M. Night Shyamalan. E bem que ele foi consultado para dirigir a versão no cinema.

26.10.06

O Caso dos Bebês

Ontem vi um programa interessantíssimo mostrando que sim, somos mais inteligentes que nossos pais e avós. O recém-nascido precisa de uma dieta rica em gordura para encapar os neurônios, e também precisa de estimulação constante para garantir a formação das conexões neurológicas. Nas gerações passadas, ninguém sabia disso, e geralmente o pessoal tinha um bocado de filhos, de maneira que era difícil dar a cada um atenção devida. O resultado é que o bebê podia ser um pequeno Einstein, mas, mal-alimentado e mal-estimulado nos primeiros anos de vida, provavelmente não ia conseguir desenvolver uma única teoria física que prestasse.

Em tese, nossa geração alcançou o potencial máximo de desenvolvimento cerebral. Fomos bem-alimentados na primeira infância e submetidos a todo tipo de experiência. A princípio nossos filhos não vão ser assim tão mais espertos que a gente. O que será possível para eles é alcançar o mesmo potencial máximo de desenvolvimento. E aí tudo vai depender da qualidade dos genes que eles herdarem.

O problema é que não há como saber quais genes a gente passa para os bebês. Espero que nossos filhos nasçam com a habilidade do Leo nos esportes e seu senso de direção, assim como meu gosto por literatura e minha facilidade com cores. O que significa que provavelmente vamos ter filhinhos desajeitados que enjoam até no carrinho de bebê, detestam ler e são virtualmente daltônicos.

Se eles tiverem o bom gênio do Leo já tá bom.

24.10.06

O Caso do Natal

Quando eu era criança, há muitos e muitos anos, o natal era o ponto alto do ano. O mês de dezembro todo era pura alegria: eram férias começando, primos vindo para a cidade, montagem da árvore na casa da minha avó, sessões intermináveis para embrulhar presentes. Dois dias antes do natal eu já nem estava dormindo direito; no dia vinte e quatro, minha mãe tinha que forçar a gente a tirar uma sonequinha depois do almoço, senão ninguém agüentava ficar acordado até meia-noite. E olha que na minha família as crianças botavam o sapatinho na janela e ganhavam uns presentes lá pelas dez da noite, porque senão a gente morria de ansiedade.

Os anos passam, a gente cresce, e um belo dia você percebe que o natal é uma festa como outra qualquer. Talvez pior, porque você tem que entrar no amigo oculto, e sempre te dão um presente que não é bem aquele que você tinha pedido; você tenta colaborar com o cardápio do evento e ninguém concorda com suas opiniões; e depois que você casa você quer passar em várias casas pelo menos para dar oi, então você corre muito, come pouco e não consegue terminar as conversas que iniciou.

Acho que estou ficando, além de velha, amarga.

23.10.06

O Caso da Cama

Ok, confesso: nunca fui muito de sair. Mesmo assim, quando nos mudamos para cá, eu e o Leo saímos direto, explorando a noite local. Íamos a restaurantes, pizzarias, barzinhos, churrascarias, e de vez em quando à casa dos amigos novos.

Depois que eu comecei a fazer a pós, entretanto, tudo mudou. Não quero mais sair, não quero mais ver amigos, quero só ficar em casa descansando, vendo filmes e lendo livros não-jurídicos. De preferência na cama. Enrolada nos lençóis. E de pijama.

Ontem eu iniciei um processo interessantíssimo de fusão com a cama, mas ele foi interrompido pela necessidade de almoçar. Uma pena.

O melhor de tudo é que, quando me convidam para um evento ao qual eu não estou com a menor vontade de ir, posso fazer cara de sacrificada e dizer que não dá porque tenho que estudar. Embora, na verdade, esteja planejando passar a noite toda na minha caminha querida, junto a um empolgante romance em inglês.
Uma hora as pessoas vão começar a perguntar que diabo de concurso é esse, que eu tanto estudo e não faço.
Mas até lá, tô na boa.

20.10.06

O Caso do Teste de Inglês

A empresa do Leo resolveu submeter os funcionários a um teste de inglês chamado Toeic, que é um primo do Toefl e serve "para medir as habilidades diárias de comunicação de pessoas que trabalham em um ambiente internacional".
O Leo trabalha em um ambiente internacional e eu nem sabia. Pois então: o Leo abafou no teste. Fechou a parte de listening e fez 90% da parte de leitura.
O povo da empresa ficou pasmo com tanta habilidade. Perguntaram para ele que curso de inglês ele tinha feito. Ao que ele respondeu: nenhum, só aqueles aulas de inglês no colégio. E é verdade. O inglês do Leo foi absorvido de livros, revistas, internet e, principalmente, tevê a cabo. Ou seja: ele é um gênio lingüístico!
Já perguntei se eu posso delegar a ele tarefas de comunicação em viagens. Mas, modestamente, o gênio lingüístico disse que acha que o transporte e a localização ainda são seus pontos fortes.

18.10.06

O Caso da Viagem do Feriado Com Mais Detalhes


Pois é: como eu disse, meu biquíni estava meio desbotado e era rosa, e rosa nem está muito na moda, né? Então eu fui à uma loja e mandei descer. O horário de fechamento chegou, passou e eu lá. No fim das contas, comprei um maiô com estampa de camuflagem, com as costas de fora e tomara-que-caia, saído diretamente de um clipe da Beyoncé. Para combinar, adquiri também um par de havaianas brancas, e quinze minutos depois cheguei à conclusão que elas eram falsificadas, porque as tiras eram de um material diferente do solado; aí mandei um e-mail para a Alpargatas e eles pediram para eu enviar fotos, para eles avaliarem, mas eu não fiz isso até hoje, então provavelmente os falsificadores continuarão impunes por aí. Na quarta-feira 11 saímos de casa às 6 horas da tarde rumo a Goval. A idéia era sair da cidade às 5, mas o Leo ficou agarrado no trabalho, então atrasamos, menina, um horror! Como sempre gastamos mais de 1 hora na estrada, mas na chegada o Leo pegou um caminho alternativo mais próximo e economizamos uns minutos. Uns 6, eu acho. Chegando à casa da Dani, o Leo ficou brincando no computador com um simulador de vôo enquanto eu e ela passávamos no supermercado e íamos buscar o meu cunhado. Quando chegamos, os calzones encomendados para o lanche (sabores calabresa, bacon e frango) já tinha chegado. O de bacon tinha um pedacinho de bacon em cima dele, e o de calabresa, um pedacinho de calabresa, mas o de frango não tinha identificador algum!

Será que esse nível de detalhe tá bom?

O Caso da Viagem do Feriado Com Mais Detalhes


Pois é: como eu disse, meu biquíni estava meio desbotado e era rosa, e rosa nem está muito na moda, né? Então eu fui à uma loja e mandei descer. O horário de fechamento chegou, passou e eu lá. No fim das contas, comprei um maiô com estampa de camuflagem, com as costas de fora e tomara-que-caia, saído diretamente de um clipe da Beyoncé. Para combinar, adquiri também um par de havaianas brancas, e quinze minutos depois cheguei à conclusão que elas eram falsificadas, porque as tiras eram de um material diferente do solado; aí mandei um e-mail para a Alpargatas e eles pediram para eu enviar fotos, para eles avaliarem, mas eu não fiz isso até hoje, então provavelmente os falsificadores continuarão impunes por aí. Na quarta-feira 11 saímos de casa às 6 horas da tarde rumo a Goval. A idéia era sair da cidade às 5, mas o Leo ficou agarrado no trabalho, então atrasamos, menina, um horror! Como sempre gastamos mais de 1 hora na estrada, mas na chegada o Leo pegou um caminho alternativo mais próximo e economizamos uns minutos. Uns 6, eu acho. Chegando à casa da Dani, o Leo ficou brincando no computador com um simulador de vôo enquanto eu e ela passávamos no supermercado e íamos buscar o meu cunhado. Quando chegamos, os calzones encomendados para o lanche (sabores calabresa, bacon e frango) já tinha chegado. O de bacon tinha um pedacinho de bacon em cima dele, e o de calabresa, um pedacinho de calabresa, mas o de frango não tinha identificador algum!

Será que esse nível de detalhe tá bom?

17.10.06

O Caso da Viagem do Feriado

Estrada. Quilômetros. Parada. Planícies. Palmeiras. Areia. Pousada. Chuva. Frio. Sinuca. Mau-jeito no ombro. Tênis. Peixe frito. Caipvodka. Piscina. Música baiana. Forró. Passeio na praia. Mais chuva.

Enquanto isso, o moço de sunga verde dançava, dançava.

11.10.06

O Caso dos Blogueiros Picaretas

Eu não dou conta desse povo que faz um blogue todo legal e bonitinho, daqueles que você cria o hábito de freqüentar, e de repente, do nada, param de postar. Durante dias. Semanas.

Aliás, nem sei o que é pior: os que param de vez ou os hebdomadários. É, aqueles que postam uma vez a cada quinze dias.

E depois, quando você praticamente se esqueceu deles, eles vão e deixam um recado para você, de maneira que você lembra que eles existem e volta a ir aos blogues deles. E quando você chega lá, não tem nenhuma notícia impactante do tipo “acabo de voltar do exterior” ou “casei, mudei e nem te convidei” ou “fui abduzida!”. Não, não. Geralmente é um post do tipo “tenho observado com muita atenção a velocidade com a qual minhas unhas crescem” ou “estou tendo uma crise de soluços”.

Pois bem: eu ia fazer um post bastante picante sobre a minha última ida ao salão e a depilação da Flávia Alessandra na última edição de Playboy, mas, em protesto, calo-me.
Ou melhor: estou tendo uma crise de soluços.

10.10.06

O Caso da Pregui

Quando comecei a fazer pós-graduação aos sábados, no começo do ano, eu acordava com a maior empolgação, arrumava minha pastinha, pegava minha carona, gastava meia hora para chegar, e assistia a 9 horas de aula sem piscar, gravando tudo. E ainda torcia o nariz para um povo que ia a uma aula sim, uma aula não, e sempre saía mais cedo.

Corta para o final do ano. Aos sábados, eu acordo de muita má-vontade, me arrasto até o carro, mastigo chiclete o tempo todo para não dormir, deixo o gravador em casa porque não tenho mais paciência de escutar as aulas de novo, racho fora quando começam as perguntas de fim de aula, e quando marcam uma aula extra para um domingo, eu não vou MEESMO.

Demorou um pouco, mas fui vencida.

9.10.06

O Caso da Praia II

Na sexta-feira fui comprar umas roupinhas para A Grande Viagem à Praia. Como eu tinha pouco tempo, vini, vidi, vici, isto é, fui, experimentei e comprei.

Ó arrependimento Quando cheguei em casa, percebi que a bermuda branca (ajustada, dois dedos acima do joelho) era meio transparente e a blusinha vermelha (com lavagem estonada e desenhos) era uma regressão aos meus tempos de faculdade de comunicação, época em que eu fazia a linha skatista-intelectual (Meu consolo é que pelo menos eu não fazia a linha hippie que não toma banho.).

Então, hoje, na hora do almoço, além de camelar atrás de um biquíni bonito e confortável (porque enfrentar ondas ajeitando o biquíni ninguém merece), ainda tenho que voltar à loja de roupas e trocar as que eu comprei por alguma coisa diferente (isto é, uma bermuda não-transparente e uma blusinha bem náutica).

6.10.06

O Caso da Praia

Faz muito, muito tempo que eu não vou à praia. Coisa assim de cinco anos. Se não me engano, ela é composta de uma imensa massa de água salgada que arde o olho e outra imensa massa de areia que gruda na pele. E de cheiro de peixe. Mas, salvo engano, praia também é um troço muito divertido, onde você pode andar de short o dia inteiro e não precisa pentear o cabelo.

Se tudo der certo, irei à praia no próximo feriado. Eu e meu bloqueador solar 30, porque mais de um dermatologista já me avisou que a morenidão intrínseca que eu alego possuir não é nada mais que uma ilusão. Mas não tem problema: chapinhar na água salgada já deve me deixar satisfeita.

O problema é que meus biquínis todos são da época que eu ainda ia à praia. Hoje em dia eu vou ao clube com meu maiô atlético, no qual eu nado vigorosamente (e fico enjoada).
Acho que vou comprar um biquíni novo. O que é que está na moda? Bolinha, listrinha, florzinha ou todas as opções acima?

5.10.06

O Caso do Cabelo do Herói

Estava eu assistindo ao programa mais inútil de todos os tempos (“Os ... Mais Sexies”, sendo que os pontinhos podem ser substituídos por “personalidades louras”, “cantores de hip-hop” ou “mocinhos de seriado”), da rede de televisão mais inútil de todos os tempo (o canal “E!ntertainment”, cuja produção inteira se resume a edições de imagens de celebridades e comentários hilários – mas não de propósito – sobre os mesmos), quando um comentário do Leo me levou a uma revelação.

O programa era “Os Atores de Ação Mais Sexies”; o Leo chegou no meio do programa, assistiu um pouco e perguntou se o tema era “Os Morenos Mais Sexies”. Aí me dei conta de que praticamente todos os heróis têm cabelo escuro.

O Super-homem tem cabelo preto. O Batman tem cabelo preto. O Homem-Aranha tem cabelo castanho. A Mulher-Maravilha tem cabelo preto. O Neo de Matrix – e a Trinity também! – tem cabelo preto. O Wolverine tem cabelo preto!

Porque cabelo escuro, vejam bem, demonstra determinação, firmeza de caráter e pouca frescura. Você quer que um lourinho venha te salvar? Então fica esperando. Os heróis louros – os poucos que existem – são absolutamente paia:

- O Thor. A arma do cara é um martelo. E uns preguinhos, não vai não?

- O Anjo dos X-Men. Seu único poder é voar com aquelas asas penuginosas.
- O Aquaman. O cara fala com os golfinhos (!!!).

Então é isso. Agora que sou morena de novo, não quero mais ser presidenta. Vou partir pra carreira de herói.

4.10.06

O Caso dos Casamentos Múltiplos

Ontem assisti ao primeiro capítulo do seriado “Amor Imenso”, produzido pelo Tom Hanks e exibido pela HBO. É sobre uma grande família: um marido, três esposas e sete filhos, todos morando num complexo de casinhas grudadas. Eles são vagamente mórmons e moram em Salt Lake City. O seriado não é bom nem ruim, mas eu estou com preguiça de ver os capítulos seguintes, então não esperem novidades a respeito por aqui.

Meu ponto é: como é que uma pessoa em sã consciência arruma mais de um cônjuge? Na boa, eu mal dou conta de um único marido, quem dirá de mais de um. E o moço do seriado ainda é dono de uma loja em expansão, o quer dizer que ele trabalha muitas horas por dia. Não é à toa que no final do capítulo ele já estava apelando para o viagra.

3.10.06

O Caso da Bicicletinha Nova

Estou felicíssima. A bicicleta ergométrica finalmente chegou. Foi ontem, bem na hora em que eu punha o pé no prédio e o serviço de entregas se preparava para puxar o carro.

Ela é ótima. Tem visor com várias funções, freqüencímetro, apoio para revista e, melhor de tudo – não faz barulho! É inacreditável. A bicicleta antiga era megabaescandalosa, e o orbitrek era praticamente uma orquestra de ruídos metálicos. A bicicleta nova é magnética e virtualmente não emite sons.

Acho que vou fazer uma bonita planilha de treinamento, com objetivos periódicos. Aí eu garanto que estou melhorando minha capacidade cardiovascular. Porque a bicicleta nova é tão silenciosa, e tão confortável, que se bobear eu passo meia hora lendo revista, vendo tevê, ouvindo música, e pedalar com energia mesmo, nada.

2.10.06

O Caso das Eleições II

Bem, depois que Fernando Collor, Paulo Maluf e ACM Neto foram eleitos, o que é que eu posso dizer?

Só isso: cada povo tem o governo que merece!

29.9.06

O Caso das Eleições

Consideração 1:
O brasileiro é um povo que sonega imposto, que compra recibo, que desobedece aos limites de velocidade e depois tenta subornar o policial para não levar multa. Políticos são brasileiros. Então, como querer que os representantes de um povo desonesto sejam honestos?

Consideração 2:
O brasileiro é um povo que justifica seus erros botando a culpa em cima dos outros. Que diz que não paga imposto porque o dinheiro é desviado pelos políticos. Ora, os políticos desviam dinheiro porque estavam acostumar a agir incorretamente – por exemplo, não pagando impostos.
Consideração 3:
Alguém dê jeito nesse círculo vicioso, pelo amor de deus!

28.9.06

O Caso da Revista

Como andar na moda atualmente:

- faça superposições, muitas superposições. De preferência aleatórias;

- não combine as cores de nada, nunca;

- tenha uma legging preta, daquela que deixam perna fina mais fina e perna grossa mais grossa;

- compre uma saia balonê, de preferência de uma cor que não combine com nada, nunca, tipo laranja-abóbora ou verde-alface;

- saia para passear usando sua saia balonê com sua legging preta;

- complete o visual com sandálias plataforma de verniz com tiras que amarram no tornozelo, POR CIMA da legging.

Pronto, você já pode sair na revista Estilo.

27.9.06

O Caso da Mulher Elegante

Continuo na minha luta diária para ser uma mulher de trinta anos elegante. O diabo é que a cidade aqui não ajuda. Consegui comprar dois pares de sapatos lindíssimos e confortáveis (os dois na casa dos três dígitos, mas sapato bonito, macio e BARATO nem eu consegui descobrir) e estou tentando usá-los, só que choveu horrivelmente na sexta-feira passada e as ruas da cidade, que já são de paralelepídos (sim, daquele tipo que agarra e arranha saltos) estão cobertas de barro, para completar.

Como colocar meus sapatos novos de couro claro e bico extra-fino nessas ruas? Por outro lado, como NÃO usá-los antes que o calor do inferno que faz por aqui no verão chegue para se instalar de vez?

Repito a conclusão a que já cheguei muitos posts atrás: a mulher elegante de verdade só anda de carro com ar-condicionado.

26.9.06

O Caso do Dedo II

Estou com uma mancha escura horrorosa na unha. É lembrancinha do incidente com a porta do carro duas semanas atrás.

O médico tinha falado para eu colocar o dedo na água gelada o dia todo para conter a hemorragia; e, dois dias depois, botar na água morna para o sangue ser absorvido. A primeira parte da recomendação eu cumpri, até porque a água gelada anestesiava o dedo que era uma beleza. Mas, quando chegou na segunda parte, eu tinha feito as unhas e não queria estragar o esmalte. Ó, vaidade.

O resultado é a tal mancha horrorosa que parece que fica mais preta a cada dia. Espero que ela não fique assim para sempre, como prognosticou sombriamente uma amiga.
Nem que o dedo caia.

25.9.06

O Caso dos Presidentes

Quando bloqueiam a internet no seu serviço, e o único site com acesso permitido é o da presidência da república, você descobre as coisas mais fascinantes.

O Brasil já teve 42 presidentes em 50 mandatos (alguns repetiram a dose) desde 1889. Vocês sabiam que TRINTA E SETE deles eram ou advogados ou militares? Exceções, só JK (médico), Collor (jornalista), Itamar Franco (engenheiro), FHC (sociológo) e Lula (metalúrgico). Míseros 11, 9%.

Então eu, que sou advogada, estou com meio caminho andado na direção da presidência.

22.9.06

O Caso do Encontro

Acho que desde a minha lua-de-mel não acesso a internet num cyber café ou similar. Quando eu viajo, boto posts pelo laptop do Leo, que é chique e tecnológico.
Pois bem - eis-me aqui, esperando uma das minhas melhores amigas, que veio de São Paulo só para me ver. Bem, talvez ela tenha vindo de São Paulo E esteja aproveitando para me ver, mas me deixem com as minhas ilusões!
O problema é que o encontro foi combinado por e-mail e a correspondência nunca chegou a ser concluída. E é claro que eu não tenho o número do celular dela, porque o meu aparelho foi furtado e o número dela mudou - não necessariamente nessa ordem.
Mas não tem pó. O lugar é uma fofucho, e tem revistas.
Se ela não chegar em trinta minutos, ou depois de eu ter lido umas três revistas, começo a me preocupar.

20.9.06

O Caso do Curso

Estou fazendo um curso em BH a trabalho e só volto no sábado. O melhor de tudo é que a ida e a volta são de avião. Tudo bem que o avião é meio teco-teco, e faz tanto barulho que você se pergunta se não entrou por engano na turbina, mas os caramelos que eles servem na decolagem são muito bons.
Estou me divertindo às pampas no comércio local. Tenho uma hora e meia de almoço, e gasto toda ela entrando e saindo de lojas, shoppings e galerias. Devo ser a cliente que as vendedoras mais odeiam: entro toda simpática e bem-vestida (afinal, eu estou fazendo um curso a trabalho!), reviro a loja toda, experimento um tanto de coisa, e aí digo que o verde-musgo/roxo-beterraba/vermelho-tomate da roupa me deixam amarela e vou embora. E nem faço por mal: é que eu sou enjoada mesmo.
Ontem finalmente descobri uma loja que eu gostei. É a Gregory, e as roupas são todas fofoluchas e distintas. Só que ainda não chegou o dia em que eu vou dar 155 reais numa camisa.
Quem sabe depois do próximo concurso.

14.9.06

O Caso dos Novos Cabelos Novos

Cansei das minhas luzes e resolvi apagá-las.

Voltei ao salão metido a besta no qual as adquiri. O cabeleireiro queria continuar fazendo as luzes, só que escuras, para ir uniformizando a cor aos poucos.

Desconfiada que se tratava de um plano para continuar me cobrando três dígitos, eu disse a ele que preferia pintar o cabelo todo logo de uma vez. Aí tive uma das minhas idéias brilhantes: ao invés de passar tinta marrom, usar um tonalizante um tom mais claro, para as luzes aparecerem sutilmente por baixo.

Então agora eu estou morena como deus me fez, só que ao invés de ter o cabelo marrom- acinzentado, ele é marrom-dourado com luzes aparecendo (se você souber que elas existem e prestar muita atenção).

Na hora da conta, a surpresa de sempre: os habituais três dígitos.

Não volto mais lá.

13.9.06

O Caso do Dedinho

Em mais uma espetacular prova da minha falta de coordenação motora, consegui prender o dedo na porta do carro ontem, quando o Leo me deixava no serviço.

Doeu tanto que a pressão baixou e eu chorei igual criança. Coloquei gelo por meia hora, mas continuou doendo horrores . Aí não agüentei e chamei o Leo.

Você sabe que está adulta e independente quando você se machuca ou fica doente mas não liga para sua mãe. Não, não. Você corre para o hospital.

Estou ficando figurinha carimbada no pronto-atendimento do hospital que fica perto da minha casa. Nesses dois anos e meio que me mudei para esta cidade, baixei lá por causa de um vírus galopante, uma rinite, uma crise de labirintite e agora o dedo.

O médico mandou tirar uma radiografia, verificou que o osso estava intacto, me passou um daqueles remédios cuja bula diz que você não deve dirigir nem operar máquinas pesadas, e falou para eu passar o dia com o dedo dentro de um copo de água com gelo e com o braço para cima.

No final do dia o remédio fez efeito, o dedo passou a doer só um pouquinho e o hematoma, que agora está ocupando quase metade da unha, parou de crescer.

Ainda bem. O médico disse que, se ele aumentasse muito, ia ser necessário fazer um furo na unha e drenar.

Urgha!

11.9.06

O Caso dos Exercícios Nocivos

No sábado fui ao clube nadar e fiquei muito enjoada. Acho que é porque tenho que ficar tirando a cabeça da água para respirar.

O que levou o Leo a concluir que eu não sirvo para atividades atléticas mesmo, porque elas diminuem meu bem-estar físico, ao invés de aumentá-lo. Vejam só: comecei a jogar tênis e arrumei uma tendinite. Fui aprender a fazer cambalhotas na água e tive náuseas. Decidi andar de bicicleta e só consegui na menorzinha de todas. Achei que natação era a solução, já que é um exercício sem impacto, e deu no que deu.

O Leo acha que eu só posso fazer atividades controladas, do tipo bicicleta ergométrica ou no máximo academia. E que eu devo me dedicar aos empreendimentos intelectuais, já que esse é o meu forte.
Estou arrasada.

8.9.06

O Caso dos Pássaros

Hoje cheguei no serviço e fui saudada por três andorinhas voando loucamente dentro da sala. Apaguei todas as lâmpadas e abri todas as janelas, para ver se elas voavam para a luz. A mais espertinha entendeu a dica e se mandou na hora. As outras duas continuaram esvoaçando pela sala e insistindo em bater as cabecinhas nos vidros, num exercício de futilidade.

Uma das andorinhas ficou escondida num canto baixo, tentando inutilmente bicar seu caminho para a liberdade. Precisei de uns cinco minutos e dois processos (um para colocar por debaixo dela, outro para não deixar que ela escorresse para os lados, como ela insistia em fazer) para botar a danada pra fora.

A última andorinha outra voou pra cá, voou pra lá e pousou em lugares altos, fora do alcance dos meus processos. Andar pela sala balançando os braços e abanando papéis que nem uma louca para tentar conduzi-la para a área das janelas não adiantou lhufas. Aí, do nada, ela deu uma embicada no vôo e conseguiu escapar.

Não sei como três andorinhas entraram na minha sala. Tudo indica que elas aproveitaram que a espuma que circunda o aparelho de ar-condicionado saiu do lugar devido aos fortes ventos do feriado para dar uma espiadinha no meu local de trabalho. O engraçado é que elas conseguiram entrar, mas não conseguiram sair por onde vieram.
Não é à toa que “cérebro de passarinho” não é elogio.

6.9.06

O Caso do Frete

Sempre achei que lojas na internet eram modernas, práticas e legais, mas elas estão começando a me irritar.

Caso 1) Submarino. Recebem a mercadoria com defeito (+), te dão um vale no valor da mercadoria ao invés de devolver o dinheiro como determina o Código de Defesa do Consumidor (-), e quando você usa o vale para comprar outra mercadoria, descobre que você não tem direito ao frete grátis, porque o frete grátis não é para o bico de quem usa vale (- - -).

Caso 2) Americanas. Tem lista de casamento mal-arrumada e confusa (-), tem coragem de cobra o frete, embora provavelmente deixem os presentes se empilharem antes de entregá-los (- -) e aí quando você vai à página inicial você descobre exatamente o produto que você comprou para o seu amigo casadoiro com frete grátis (- - -).

5.9.06

O Caso dos Exercícios (ou Falta de)

Exercícios não são o que Jesus quer para mim. Recebemos um e-mail da Submarino dizendo que eles não têm mais orbitreks, então é pra gente escolher outra coisa. E, justamente porque eu estava animada a nadar, começou a chover por aqui e pelo jeito não vai parar mais.

Resolvemos escolher uma bicicleta ergométrica, que é o que cabe na sala. Aí, surpresa: o prazo de entrega é 20 dias.

Jesus quer que eu fique gorduchinha, gorduchinha.

4.9.06

O Caso da Piscina

Aproveitei que ontem o sol estava brilhando e fui ao clube para encerrar quase dois meses sem atividade física causados pelo defeito no orbitrek que eu comprei pela internet, pela doação da bicicleta ergométrica e pela falta de condições de caminhar aqui perto de casa.

Depois de passar um protetor solar no rosto e outro no corpo, pôr o maiô, prender o cabelo, colocar a faixa que impede a franja de cair no olho e tomar uma chuveirada para encharcar o cabelo de água doce e impedir o efeito maléfico do cloro, me joguei na piscina com toda a animação.

A água estava tão gelada que o meu coração quase congelou. Mas, depois de chapinhar energicamente por muitos minutos, juro que a temperatura ficou agradável.

Ontem eu tentei nadar mais devagar, porque a velocidade que eu estava desenvolvendo no começo do ano me deixava sem fôlego em pouquíssimo tempo. Não que essa velocidade fosse lá grande coisa – a minha capacidade aeróbica é que é fraquinha mesmo.

Deu certo. Nadei quase meia hora.

Depois fiquei tonta por ter feito esforço demais.

1.9.06

O Caso do Celular

Meu celular foi furtado no aeroporto. A companhia aérea, que não será nomeada – ok, foi a TAM – se recusou a tomar providências, porque a violação da mala só foi descoberta após termos deixado o aeroporto. Fui à delegacia fazer o BO, mas ele acabou com o número de nota fiscal da conta do celular, porque o atendente da operadora, que deverá permanecer anônima – ok, foi a Telemig – disse que o número na segunda via da conta tirada na internet era o da nota fiscal do aparelho.

Diante de tantos obstáculos, desisti de entrar no Juizado Especial, porque eu ia me aborrecer mais do que aborrecer a empresa. Ok, na verdade é porque a diaba da TAM lacrou a mala no check-in, e a gente só percebeu que o lacre tinha sumido em casa. Então para o juiz achar que nós faltamos com o dever de vigilância sobre a bagagem não custava nada.

O último capítulo dessa novela é que não posso cancelar a conta do celular furtado, porque ele estava em comodato. O que eu posso fazer é continuar a pagar 17 reais por mês (que é o valor-base da mensalidade) até o contrato acabar (em outubro de 2007); ou pagar 215 reais para a operadora para ressarci-la do custo do celular e só aí cancelar a conta.

Ou então (como descobri depois de muito atormentar a Telemig) posso pedir um outro chip (16 reais), enfiar em qualquer celular GSM, e continuar com o contrato até outubro de 2007, mas aí fazendo ligações, claro.

Alguém aí tem um celular GSM bem baratinho, tipo o Nokia 1108 ou o Nokia 1110, gentilmente usado, para vender em suaves prestações?

31.8.06

O Caso da Economia

Cada vez mais me dou conta de como as pessoas são descontroladas com dinheiro. Mesmo quem ganha muito volta e meia cai no cheque especial. Meu pai diz que “você fica rico não com o que você ganha, mas com o que você guarda.” E eu concordo.

Tudo bem, cada um sabe de sua vida e faz o que quer com os seus dinheiros. Mas pagar juros astronômicos para o banco, comprar tudo a prestação e fazer financiamentos intermináveis quando um pouco de economia permitiria pagar tudo a vista – aí não é independência, é burrice mesmo.

Não é difícil guardar dinheiro. É só pôr em prática as seguintes regras (que eu, pessoalmente, uso com grande sucesso):

1) Não compre nada à prestação. Se você não tem dinheiro para pagar na hora você não tem dinheiro para pagar, ponto.

2) Recebido o salário, desconte as despesas fixas (que serão poucas, já que você não compra nada à prestação) e aplique. TUDO.

As pessoas me acusam de pão-durice, mas eu aceito como elogio. Quando eu estiver me aposentando aos quarenta anos, vamos ver quem tem razão.

30.8.06

O Caso do Açúcar

O Leo decidiu comer menos doces e eu fui junto. Reduzi a quantidade de chocolate de “sem limites” para uma ração diária de 5 g.

Acho que estou tendo efeitos colaterais. Meu corpo dói (talvez também porque estou completando mais de um mês sem exercício, mas isso não vem ao caso), sinto um sono danado à tarde e estou tendo umas dores de cabeça muito inconvenientes.

Será que é síndrome de abstinência?

29.8.06

O Caso dos Copos D’Água

Finalmente, finalmente li em uma revista que esse negócio de que todo mundo tem que beber oito copos de água por dia não passa de lenda urbana. Sempre achei que fosse a maior bobagem, porque:

1) cada um tem um tamanho e um peso diferente, então o mesmo tanto de água para todo mundo não faz sentido;

2) quando a gente precisa comer, a gente sente fome; então, a lógica é que, quando a gente precise beber, a gente sinta sede. E não que já estejamos desidratados, como se alardeia por aí.

Melhor do que isso, só quando a mesma revista falou que pele oleosa não precisa de hidratante. Aí mandei um e-mail nesse sentido para outra revista que deverá permanecer sem nome – ok, foi a Nova – e a editora EM PESSOA me ligou para brigar comigo e dizer que o óleo da pele não tem nada a ver com hidratação, porque o que hidrata é água.

Moral da história: não acreditem em tudo que vocês lêem por aí. Só no que vocês lêem por aqui, é claro.

28.8.06

O Caso dos Produtos Enganosos

Com toda a insistência da mídia para evitar as gorduras, diminuir os carboidratos, combater os anti-oxidantes, maneirar no sal e controlar o açúcar, nada mais normal que a gente comece a substituir os alimentos de sempre por outros que se auto-intitulam saudáveis.

No entusiasmo, releva-se o fato de que o iogurte light seja o dobro do preço do iogurte comum e que o preço do Nutry consegue ser maior do que o do chocolate. O problema é que estou começando a achar que a maioria dos produtos da onda saudável são pura enganação.

Começando pelo Nutry, que a nutricionista do Amyr Klink inventou para a travessia do Atlântico dele só de barquinho, e que portanto era objeto da minha mais alta consideração. Se você ler a embalagem do Nutry de banana, vai ter a ingrata surpresa de descobrir que ele fornece 1 g de fibra, o equivalente a 3% do necessário para sua dieta diária. E que os ingrediente principais são xarope de glicose e flocos de arroz, isto é, ingredientes baratos de valor nutritivo parco.

Os biscoitos integrais Pit Stop, cuja embalagem alardeia “fonte de fibras!”, têm os mesmos ridículos 3% da mesma. E, para completar, 3 g de gordura saturada, o que equivale a 12% do que você “precisa” por dia. Ou seja, para conseguir 3% de fibras, você ingere o quádruplo de gordura saturada, que é o vilão da vez!

Quanto ao iogurte light da Danone, a fórmula mudou para ficar “mais vitamínica”, mas quantidade de pedacinhos de fruta do pote diminuiu.

Em suma: talvez os velhos biscoitos cream cracker façam um estrago menor. No bolso e na saúde.

25.8.06

O Caso da Moto

Uns dias atrás, conheci um amigo da minha irmã que costumava ter moto. Ele contou que as motos que têm um motor legal andam MESMO. Segundo ele, uma boa moto pode chegar a 220 km, sem stress.

Existe uma turma de motoqueiros em BH que se reúne uma vez por semana. Quando dá na telha, eles vão tomar um cafezinho em Ouro Preto, que fica a 100 km de distância em uma estrada pra lá de curvilínea e perigosa. De carro você gasta quase hora e meia. E, em 35, 40 minutos, eles chegam, tomam o cafezinho e voltam.

Estou chocada até agora.

24.8.06

O Caso da Agência de Viagens

Já me falaram várias vezes que eu devia dar um jeito de ganhar dinheiro com meu conhecimento e entusiasmo a respeito de viagens. Eu estive pensando seriamente no assunto e cheguei a conclusão de que a idéia é boa. Eu podia abrir uma agência de viagens finíssima, ou, melhor ainda, bolar roteiros exclusivos e levar as pessoas comigo.
O problema é que eu teria pouquíssimos clientes, porque eu somente aceitaria quem:

- estivesse disposto a viajar para fora do continente;

- falasse NO MÍNIMO uma língua estrangeira, sendo que espanhol só vale meio ponto;

- prometesse ler todos guias turísticos, livros de arte e romance temáticos que eu indicasse antes da viagem;

- E concordasse em viajar com apenas uma mala.

Está confirmado: eu sou MESMO uma esnobe horrível.

23.8.06

O Caso das Pessoas

Vocês vêem que as pessoas são mesmo muito diferentes. Quando eu viajo, passo semanas pesquisando e planejando. Leio críticas de hotéis até cair, entro em sites e blogues até saber qual é o preço médio das coisas, levo em consideração a tabela de temperaturas mínimas e máximas, decido nos mínimos detalhes se vou me transportar de carro, trem, ônibus ou metrô e qual o valor de cada passagem (e da gasolina). Saio do Brasil sabendo em que museus e atrações eu quero ir, quanto custam e em que horário eles funcionam; faço planilhas para estimar se é economicamente vantajoso adquirir aqueles cartões de cidades que dão direito à entrada em museus e ao transporte público (o de Bruxelas vale a pena; o de Amsterdam, não); levo diversas espécies monetárias na carteira, na bolsa e escondidas debaixo da roupa, assim como uma estimativa de quanto quero (e posso) gastar.

Minhas melhores amigas estão na Europa. Elas foram no começo do mês. Planejamento? Reservaram hotéis e albergues e iam comprar uma passagem de trem de Veneza a Paris. Programação? O pai de uma delas contou que nas estações de trem costuma ter um posto de turismo com mapas e informações. E lá se foram, lépidas e fagueiras.

E quer saber? Aposto que elas estão se divertindo tanto quanto eu.
Mas que a minha viagem dura um mês a mais (esse mês que eu gasto arrancando os cabelos, infernizando a agente de turismo, arranjando e cancelando reservas, e fazendo uma quantidade inacreditável de contas), isso dura.

22.8.06

O Caso do Chuveiro

Vocês se lembram da propaganda clássica da loja Minas Fogões? Aquela que tinha uma das musiquinhas mais toscas de todos os tempos:
A vida da dona-de-casa
É uma luta danada
Quando estragar o fogão, a panela de pressão
Não fique desesperada
Existe uma loja
Especial
Para a dona-de-casa
Minas Fogões
Conserta e tem as peças que você preciiiisa...
Pois bem: o chuveiro lá de casa queimou e eu o levei a uma eletro-técnica perto do serviço. Me falaram que eles não tinham a resistência daquele chuveiro, mas que o Róbson ou a Minas Fogões tinham. Como eu não tinha idéia de quem, ou o quê, era o Róbson, venci a natural relutância produzida pelo hino da propaganda e marchei para a Minas Fogões, que também fica perto.

Qual não foi minha emoção ao ultrapassar aqueles umbrais de domesticidade...! Foi um momento mágico. Faz mais de dois anos que eu saí da casa de meus pais, mas só então me senti uma verdadeira dona-de-casa...

21.8.06

O Caso da Graxa

Vocês sabem: se eu não fosse advogada, nem jornalista, eu seria engraxate. Gosto de espalhar a graxa sobre a superfície do couro. Adoro escovar o sapato até ele ficar brilhante. Acho que a transformação instantânea efetuada por uma boa engraxada proporciona satisfação imediata.

Já contei o caso da bota marrom que virou preta depois de três camadas generosas de graxa. É verdade que a graxa foi saindo e no final a bota ficou de uma cor escura meio indefinida, mas aí a viagem já estava acabando.
De qualquer forma, de preto para marrom não há lá grandes dificuldades. Ontem enfrentei um desafio muito maior.

Eu tenho um sapato cor-de-rosa de bico redondo e salto baixo que me restaurou a fé na crença de que sapatos bonitos também podem ser confortáveis. Eu até voltei na loja depois para ver se eu comprava o mesmo modelo em outra cor, mas é claro que todos os pares já tinha sido vendidos. E infelizmente, como o sapato é cor-de-rosa clarinho, o couro foi perdendo a beleza original depois de algum tempo.

Como não existe graxa cor-de-rosa, meus poderes de engraxate de nada serviram. E o diabo do sapato ainda tinha um vernizinho por cima do couro, o que fez com que a vendedora da loja me proibisse enfaticamente de lavá-lo, dizendo que eu só podia limpá-lo com o lado áspero de uma bucha nova.

Vocês podem imaginar quão eficiente era essa limpeza.

Pois bem: um belo dia, quando eu já estava conformada com o fato de que eu ia ter que jogá-lo fora, minha faxineira catou o sapato e deu uma boa lavada nele. O verniz foi ralo abaixo, mas a cor voltou a seu estado original. Fiquei estática de felicidade.

Evidentemente, o novo estado de limpeza não durou muito. O tal vernizinho, pelo jeito, funcionava como protetor. Tive que submeter o sapato a lavagens periódicas, e depois de algum tempo a cor estava irreconhecível.

E aí, como eu ia jogar o sapato fora mesmo, e o rosa já está saindo de moda, decidi usar minhas habilidades com a graxa para tentar recuperá-lo pela última vez.

Munida de uma escova de dentes velha e de uma caixinha de graxa preta novinha, foi ao ataque. E não é que deu certo? Depois de muitas camadas, o sapato rosa virou marrom-café. Ou roxo-beringela, como achou o Leo. Na verdade, marrom com reflexos roxos.

Ficou jóia!

18.8.06

SERVIÇO DE UTILIDADE PÚBLICA.

Anda circulando por aí um e-mail incentivando os eleitores a anularem seus votos. O e-mail diz que, se mais de metade dos votos em uma eleição forem nulos, uma nova eleição tem que ser convocada, com candidatos diferentes daqueles que participaram da primeira. É MENTIRA!

O art. 224 do Código Eleitoral (que é a lei que regula as eleições no Brasil) diz que se a nulidade atingir mais de metade dos votos do país nas eleições presidenciais, do Estado nas eleições federais e estaduais ou do município nas eleições municipais, o TSE tem que marcar dia para nova eleição dentro de 20 a 40 dias. Isso é o que o e-mail que está circulando por aí diz.
Só que o e-mail se esquece de contar que os arts. 220 a 222 explicam quais são os casos de nulidade, que são: votação feita em mesa eleitoral irregular; votação feita em cédula falsa (na época em que existia cédula!); votação feita em dia, hora ou local diferentes do que o TSE define; votação com quebra de sigilo; e outros casos listados nos artigos. ESSA NULIDADE NÃO TEM NADA A VER COM O VOTO QUE O ELEITOR ANULA POR VONTADE PRÓPRIA!

ALÉM DISSO, NÃO TEM NADA NA LEI QUE DIGA QUE OS CANDIDATOS DA ELEIÇÃO ANULADA NÃO PODEM CONCORRER DE NOVO!

Ou seja, o e-mail que incentiva as pessoas a anularem seus votos é uma grande bobagem. Está na dúvida? Não acredite em mim, acredite na lei! Siga o link http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L4737.htm. É o link do Código Eleitoral, no site da Presidência. Ou pesquise “Código Eleitoral” na internet e consulte a lei!
A democracia é feita por meio do voto. Não jogue seu voto fora!
E AVISE SEUS AMIGOS!
LEI Nº 4.737, DE 15 DE JULHO DE 1965.
Institui o Código Eleitoral.

CAPÍTULO VI
DAS NULIDADES DA VOTAÇÃO

Art. 220. É nula a votação:
I - quando feita perante mesa não nomeada pelo juiz eleitoral, ou constituída com ofensa à letra da lei;
II - quando efetuada em folhas de votação falsas;
III - quando realizada em dia, hora, ou local diferentes do designado ou encerrada antes das 17 horas;
IV - quando preterida formalidade essencial do sigilo dos sufrágios.
V - quando a seção eleitoral tiver sido localizada com infração do disposto nos §§ 4º e 5º do art. 135. (Incluído pela Lei nº 4.961, de 4.5.1966)
Parágrafo único. A nulidade será pronunciada quando o órgão apurador conhecer do ato ou dos seus efeitos e o encontrar provada, não lhe sendo lícito supri-la, ainda que haja consenso das partes.
Art. 221. É anulável a votação:
I - quando houver extravio de documento reputado essencial; (Inciso II renumerado pela Lei nº 4.961, de 4.5.1966)
II - quando fôr negado ou sofrer restrição o direito de fiscalizar, e o fato constar da ata ou de protesto interposto, por escrito, no momento: (Inciso III renumerado pela Lei nº 4.961, de 4.5.1966)
III - quando votar, sem as cautelas do Art. 147, § 2º. (Inciso IV renumerado pela Lei nº 4.961, de 4.5.1966)
a) eleitor excluído por sentença não cumprida por ocasião da remessa das folhas individuais de votação à mesa, desde que haja oportuna reclamação de partido;
b) eleitor de outra seção, salvo a hipótese do Art. 145;
c) alguém com falsa identidade em lugar do eleitor chamado.
Art. 222. É também anulável a votação, quando viciada de falsidade, fraude, coação, uso de meios de que trata o Art. 237, ou emprego de processo de propaganda ou captação de sufrágios vedado por lei.
(...)
Art. 224. Se a nulidade atingir a mais de metade dos votos do país nas eleições presidenciais, do Estado nas eleições federais e estaduais ou do município nas eleições municipais, julgar-se-ão prejudicadas as demais votações e o Tribunal marcará dia para nova eleição dentro do prazo de 20 (vinte) a 40 (quarenta) dias.
§ 1º Se o Tribunal Regional na área de sua competência, deixar de cumprir o disposto neste artigo, o Procurador Regional levará o fato ao conhecimento do Procurador Geral, que providenciará junto ao Tribunal Superior para que seja marcada imediatamente nova eleição.
§ 2º Ocorrendo qualquer dos casos previstos neste capítulo o Ministério Público promoverá, imediatamente a punição dos culpados.

17.8.06

O Caso do Reloginho

Quando me formei em direito, no longínquo ano de 1998, meu avô chamou meu pai e pediu para ele comprar um presente para mim. Meu pai resolveu o problema mandando que eu mesmo comprasse o presente, e aproveitou para sugerir “uma caneta bonita, com a data gravada”, que é o que ele acha o melhor presente de formatura de todos os tempos.

Como eu não tinha tanto interesse assim na caneta bonita, terminei comprando um bonito relógio (sem a data gravada). Achando-me muito esperta, escolhi um modelo movido a corda, e não a bateria, sendo que a corda era dada naturalmente pelo movimento do braço. A idéia é que eu nunca teria que me preocupar em trocar a bateria, nem em ficar dando corda no relógio. Ele era praticamente um moto-contínuo!

Pois bem. Depois de algum tempo percebi que o reloginho era danado para adiantar. Não consegui descobri se isso se devia ao fato de que eu gesticulo demais (já me disseram que se alguém segurasse meus braços eu não ia conseguir falar. Mas depois li a respeito de uma pesquisa a respeito do assunto, que chegou à conclusão que as pessoas que acompanham as palavras de gestos dinâmicos são consideradas mais inteligentes e mais articuladas que as outras, então continuei). Como chegar adiantada aos compromissos é bom, não me importei.

Mas agora o reloginho está pedindo socorro. Ao invés de adiantar, agora ele atrasa horrivelmente. O ponteiro dos segundos pára a seu bel-prazer, sem se importar com as minhas enérgicas sacudidas de braço. Já troquei o coitadinho do pulso esquerdo para o direito, que é mais ativo; já passei vários minutos agitando-o freneticamente. Nada adiantou. Acho que vou ter que levá-lo ao relojoeiro.

Estou me sentindo enganada.

16.8.06

O Caso das Frases

As frases que eu mais gosto de usar são:

“Uma mulher prevenida vale por duas.”

“Quem guarda tem.”

“A cidade grande está falida.”

E a minha preferida:

“Eu não disse?”

As frases que eu mais gosto de escutar são:

“À vista tem desconto.”

“Saiu o aumento.”

“Você passou!”

E a mais querida de todas:

“Você tem razão.”

11.8.06

O Caso do Sonho

Hoje eu sonhei que eu tinha comprado um velocípede amarelo com rodas azuis. Ele era igual a um pedalinho desses que alugam para passear em lagos, só que era terrestre e de plástico. No meu sonho eu pedalava alegremente pelas ruas de Fabri, até que aparecia uma subida e eu decidia descer dele e empurrá-lo. Só que eu me empolgava e empurrava demais, e ele acabava chegando a uma ladeira e disparando rua abaixo. Aí a cidade virava BH, a rua, a Contorno, e eu saía correndo atrás do carrinho, mas só chegava a tempo de ver uma moça se apoderando dele e o vendendo para o moço ao lado por cinco reais (sendo que eu tinha pago seis!). Então eu brigava com os dois, falava que o carrinho era meu, mas nenhum deles se convencia.

O resto do sonho era um longuíssimo debate entre eu e a moça, até que ela perdia a paciência e me dava os cinco reais que o moço tinha pago a ela. Eu dizia que não queria o dinheiro, queria o meu carrinho, e no final das contas ela ameaçava me trancar no quarto durante um dia inteiro porque eu a tinha perturbado demais.

Eu conseguia escapar e ia atrás do moço, que estava dando sopa na rua. Aí ocorria outro longuíssimo debate, comigo dizendo que as rodas do carrinho estavam desgastadas, que o carrinho era usado, que era só ele ver, mas o moço já tinha guardado o meu velocípede amarelo no porta-malas e não queria tirar de jeito nenhum.

Nessa hora eu acordei e passei vários minutos de minha vida contando esse interessantíssimo sonho para o Leo. Que, por sua vez, reclamou que eu nunca sonho com ele.
Mas, como ontem o Leo estava de camisa amarela exatamente do tom do carrinho e calça jeans da precisamente da cor das rodas e do volante, eu disse que eu sonho com ele sim.

10.8.06

O Caso do Acaso

Não, eu não acredito em coincidências, nem em sinais, nem em destino. Acho que a realidade humana é tão complexa que uma hora vai acontecer alguma coisa que tenha relacionamento com outra, e isso sem que haja uma divindade superior ordenando as vidas dos pobres mortais. Também acho que, quando ocorre algo e a pessoa conclui que aquilo era necessário para que ela encontrasse seu caminho, é ela que está dando significado a um fato aleatório, e não o fato que está dando significado à vida dela.

Muito bem. Dito isso, na quarta-feira passada recebi, por engano, um e-mail de serviço cujo remetente era de Ji-Paraná, em Rondônia. No sexta-feira assisti à uma palestra e um dos exemplos era uma pessoa jurídica de Ji-Paraná. No sábado fui à pós e quando chegou a hora das perguntas uma delas foi feita por um aluno de Ji-Paraná.

Alguém aí já tinha ouvido falar de Ji-Paraná? Eu não tinha a mais vaga idéia de que esse lugar existisse (perdoem-me os ji-paranaenses que me lêem).
Como eu disse, eu não acredito em sinais. Mas que no próximo concurso vão querer me mandar para Ji-Paraná e, que, se eu fosse solteira, encontraria um homem alto, bonito e moreno vindo de lá, disso eu não tenho a menor dúvida.

9.8.06

O Caso da Roda da Fortuna

Porque, como dizem os filósofos, tudo na vida é efêmero e o sucesso é uma ilusão. Vejam a Jennifer Aniston, a Rachel de Friends: até algum tempo atrás ela estava em um dos seriados mais assistidos de todos os tempos, ganhava um milhão de dólares por episódio, era casada com o Brad Pitt e foi eleita a mulher mais bonita do mundo mais de uma vez. Aí o seriado acabou, o Brad a trocou pela Angelina, as pessoas estão descobrindo que na verdade ela é meio feiosa e magrela, e que ela só sabe interpretar um papel: a Rachel.

Pra completar, como a única coisa que ela estava fazendo na época em que a Angelina anunciou sua gravidez (no intervalo de várias de várias viagens de benemerência) era um filminho muito meia-boca, o jeito foi arrumar um namorado depressa, para não ficar muito por baixo. Aí tudo que ela conseguiu arranjar foi o Vince Vaughn, um cara grandalhão, cheio de bolsas sob os olhos, que fala muito e alto, de um jeito que eu particularmente acho assustador.

Toda essa introdução foram uns pensamentos que ocorreram enquanto eu assistia ao filme “The Break-up”, que a dupla Vaughniston estava fazendo enquanto a pimpolha do Brad nascia na Namíbia.

É um filme bizarro. Está sendo vendido como comédia, mas todas as ceninhas engraçadas estão no thrailler. O resto é um drama esquisito, do tipo que só Hollywood é capaz de fabricar, na qual pessoas que têm bons empregados, bons amigos e boa casa para morar ficam se descabelando e enchendo o saco dos citados amigos por motivos risíveis. A gente não torce para o casal principal acabar junto, a gente torce para o filme acabar logo. Porque a personagem da Jennifer é uma chata e o personagem do Vince é insuportável.

Minha solução: enxada para os dois.

8.8.06

O Caso da Hospitalidade

Minha mãe é uma anfitriã agressiva. Ela serve comida o tempo todo e insiste para que as visitas repitam. Segue as pessoas pela casa, perguntando se elas estão confortáveis e se precisam de alguma coisa. Inventa diversões em tempo integral, providenciando revistas, passeios e tevê ligada. Traz água e cafezinho da bandeja e despacha o marido para a padaria para comprar quitutes especiais. Despeja as próprias filhas de seus quartos para que as visitas fiquem bem-acomodadas. E ela não deixa que as visitas levantem um dedo, porque afinal, visita é visita. Até quando as crianças do vizinho vinham brincar lá em casa e faziam a maior bagunça quem tinha que arrumar os brinquedos era eu.

Como não aprovo esse modelo hostil, decidi ser o oposto. Digo para as visitas ficarem à vontade e mostro o caminho da geladeira. Não é incomum que eu deixe as pessoas vendo filmes e vá para o quarto ler. Não insisto para que ninguém coma, nem fico inventando lugares aos quais o Leo deve levá-las. E se elas querem pôr a mesa, lavar a louça e arrumar a cama, eu falo uma única vez para elas deixarem para lá.

Gosto do meu estilo low-profile. O único inconveniente, sou forçada a admitir, é que eu só me preocupo com a alimentação das visitas quando eu mesma tenho fome. E como não tenho muita fome, se forem deixadas por minha conta, existe um risco real das pessoas emagrecerem alguns quilos em visitas prolongadas.

A sorte é as visitas nunca são deixadas por minha conta. O Leo sempre vai ao supermercado, abastece a geladeira e providencia refeições periódicas. E também oferece às pessoas guloseimas variadas, para elas irem se divertindo nos intervalos.

Sim, o Leo é um bom anfitrião. Nem exagerado como minha mãe, nem largado como eu. Mas não se preocupem, estou aprendendo.

7.8.06

O Caso da Quinta até Domingo

No final da semana passada eu me encontrei com muitos amigos. Conheci pessoas novas e revi conhecidos. Fiz várias visitas. Experimentei a torta de chocolate mais deliciosa do mundo. Conversei até começar a ficar rouca. Fui à casa da minha avó duas vezes. Comprei roupa nova. Fiz um curso de trabalho. Fui à aula da pós. Não me desentendi com minha mãe, nem com meu pai, nem com minha irmã mais nova. E não enjoei na viagem de ida, nem na viagem de volta.
Em suma, foram quatro dias atarefados, cansativos e divertidíssimos.

2.8.06

O Caso da Hoteleira Desaforada

Na nossa viagem aos Países Baixos, fiz pesquisas intermináveis na internet até achar um bed&breakfast fofo o suficiente em Brugge, na Bélgica. Depois de horas e horas de navegação, descobri um lugar legal o suficiente: o Alegria, no qual reservei o Quarto Chocolate. O preço estava até meio fora do orçamento, mas tudo bem – como diz meu pai, mais vale um gosto.

Chegamos em Brugge de carro sem maiores problemas (fora o desvio de 40 km causado por minha falta de navegação em ler mapas). Difícil foi achar o tal Alegria. Brugge é a cidade medieval mais bem conservada da Europa; as ruas do centro são estreitas, sinuosas e de mão única. O mapa que a gente tinha no guia de viagem não ajudou. Rodamos e rodamos, com o Leo cansado de tanto dirigir e eu morrendo de fome, e cada vez a coisa ficava pior, porque as ruas não são paralelas, nem perpendiculares, nem fazem sentido algum. Para piorar, algumas estavam sendo reformadas, e quando a gente achava que estava chegando, éramos impedidos de prosseguir por tratores!

No final, o Leo estacionou em uma rua mais larga e lá me fui, a pé, tentar descobrir onde ficava o tal hotel. Perguntei aqui e ali e acabei chegando a uma rua inteiramente em reforma, coberta de areia e lama. Para meu desapontamento, o b&b ficava no meio dela.

Chego lá. Acho a entrada pequena, apertada e com um cheiro esquisito. Vou falar com a velhinha gorda que está atrás do balcão e que, com o maior pouco caso, diz para eu parar o carro numa rua vagamente paralela e carregar as malas por um bequinho. Por quê? Porque não tinha como chegar no hotel de carro mesmo não. Ajudar? Não, não tem ninguém que possa. Estacionar? Ah, ela vai me ensinar onde é assim que eu chegar com as malas.

Saí de lá roxa de ódio. Imagina, ter que chapinhar na terra toda vez que fôssemos sair do hotel? E as malas, que não eram poucas, ser carregadas e descarregadas no muque? Tenha dó. Ou melhor, tenha dólares, porque o hotel Alegria não era baratinho, não!

Saímos procurando outra opção. E foi facílimo: a poucos metros de onde o carro estava estacionando havia um b&b simpaticíssimo, com uma moça mais simpática ainda. Voltei no Alegria (que só me trouxe tristezas!) para dizer para a velhinha antipática que eu não ia ficar lá, porque estava me sentindo enganada. Na hora da reserva, ninguém tinha falado nada da reforma, nem do estado da rua, nem avisado que para chegar lá a gente iria gastar HORAS!

A velhinha ficou danada. Disse que ia cobrar um dia de estadia porque estávamos cancelando em cima da hora. Fiquei mais danada ainda. E aí gastei com gosto meu inglês.

No fim das contas, o que funcionou foi a ameaça de que, se ela ousasse cobrar a diária, eu ia contar toda a história nos sites de críticas de hotéis, e aí eu queria ver ela ia arranjar mais hóspedes.
É ótimo falar a língua dos locais.

1.8.06

O Caso do Trabalho

Depois que me formei na segunda faculdade, passei alguns meses doente de vontade de trabalhar. Fiz programa de trainee, concurso, entrevista, inscrição em seleção de editora, o diabo. No final das contas, comecei a trabalhar no dia 22 de março de 2004, para minha grande alegria e satisfação.

A grande alegria e satisfação duraram até o final de 2005. Comecei a desconfiar que trabalhar, apesar das vantagens óbvias, como o salário no fim do mês, não era assim cousa tão sublime quanto eu imaginava. E olha que o ambiente de trabalho é ótimo, a infra-estrutura é muito boa, os colegas são legais, o local é próximo à minha casa.

Puxa, falando assim comecei até a gostar mais do meu trabalho.

31.7.06

O Caso do Celular

Eu tenho um celular novo e ele é lindo!

Depois que me furtarem dois celulares, todo esse negócio de telefonia móvel tinha perdido o encanto para mim. Fiquei desde o final de abril até agora sem celular, e achando ótimo (além de econômico, que, como vocês sabem, é um dos meus adjetivos favoritos. Só perde para “oportunidade”).

Mas, infelizmente, houve duas ocasiões em que o mundo dos celularless não pareceu tão róseo. Primeira: esqueci a chave do apartamento dentro dele. Cheguei em casa quase uma hora antes do Leo. E tive que ficar esperando, né? Se eu tivesse um celular eu ligava para ele e, mesmo que isso não o apressasse, eu tinha o consolo de saber que ele estava consciente de minha dor. Segunda ocasião: fui para o pronto-atendimento com um ataque de labirintite. Mandei um e-mail para o Leo avisando que eu estava indo, e ele ficou doido atrás de mim. Foi até parar no hospital para tentar me pegar, mas por sorte eu tinha conseguido uma carona que me deixou em casa. Resumo da ópera: sim, o celular tem lá sua utilidade.

Aí resolvi comprar o celular mais feio e barato de todos – porque quando eu tinha o meu 5102 ninguém queria furtá-lo. Só que mesmo os mais baratos custavam pouco barato – e eram de cartão. Acabei resolvendo o problema na base do escambo, e me vi a feliz possuidora de um nokia 6560 semi-novo.

Eu não estava botando muita fé nele nada, mas sexta, depois de duas semanas, finalmente o habilitei e carreguei.

A primeira coisa que eu fiz foi mudar o fundo de tela. Pus um girassol em aquarela com um céu azulzão atrás.
E aí eu fiquei feliz.

28.7.06

O Caso dos Quereres

Eu queria que cada dia tivesse quarenta horas. Eu queria cinco centímetros mais alta (só para não ficar precisando fazer bainha nas calças que eu compro). Eu queria que voltasse a fazer calor para eu conseguir ir no clube. Eu queria que toda segunda-feira fosse feriado (ou pelo menos a primeira segunda-feira de cada mês). Eu queria que a estrada para Belo Horizonte fosse sem buracos, sem curvas e sem morros. Eu queria que a pós-graduação terminasse agora, no final de julho (ao invés de no meio de dezembro).

Eu queria que meus amigos não sumissem. Eu queria que meus amigos me visitassem. Eu queria que meus amigos que visitam virtualmente, no blogue, deixassem mais comentários.

Eu queria gostar mais de verduras e legumes (irgha). Eu queria um aumento.

Pelo menos o aumento eu tive.

27.7.06

O Caso da Next Top Model

Há uns dois anos o Leo descobriu um seriado que ele achou a minha cara: America’s Next Top Model, ou seja, A Próxima Top Model dos Estados Unidos. É um reality show que pega 12 moças com potencial e vai ensinando a elas os truques da profissão. A cada episódio uma cai fora e a última que sobra é a vencedora.

O Leo tinha razão: eu adoro o programa. Em cada um deles tem uma sessão de fotos muito legal, o que alimenta meu lado produtora de moda. Dá até para pegar umas manhas a respeito de como sair bem nas fotos. E ainda tem make-overs, que é uma das minhas coisas preferidas! É incrível como um bom cabeleireiro (e um bom tinturista. E um bom maquiador) consegue transformar uma pessoa.

O programa deu tão certo que gerou filhotes. Teve o Great Britain’s Next Top Model, que foi de uma pobreza franciscana. As meninas ficavam em um alojamento horroroso, com beliches (!). As sessões de fotos eram totalmente meia-boca. E como as concorrentes eram bem feiosinhas (a mulher britânica não é conhecida pela sua beleza), nem chegamos a assistir a temporada inteira.
Aí veio Australia’s Next Top Model. Bem melhor, eu admito, mas ainda assim faltava grana. A apresentadora era meio sem sal. E os make-overs foram a coisa mais sem graça – teve gente que a equipe achou que estava bem, então as meninas ficaram do jeito que estavam. Que saudade do programa americano, no qual teve uma raspando a cabeça e outra abandonando a competição porque não queria cortar o cabelo curto!

Ultimamente temos visto Canada’s Next Top Model, que é quase tão legal quanto o original. A apresentadora não é nenhuma Tyra Banks, mas é bonita e razoavelmente simpática. O problema desse programa é que, sem sacanagem, as meninas são feias! Ou devo dizer exóticas? As mais bonitinhas foram eliminadas logo no começo, e agora tem umas três ou quatro garotas totalmente assustadoras. Fica até difícil torcer para uma delas.

A última descoberta do Leo foi o Germany’s Top Model. Vimos o começo do primeiro capítulo e concordamos que nesse sim a produção tem grana. A vencedora vai aparecer na capa da Cosmopolitan alemã e a apresentadora é a Heidi Klum. As meninas alemãs parecem bem jeitosinhas. O único probleminha é que o programa é em alemão... e não tem legenda. Mas não tem problema. A gente já sabe tudo que vai acontecer mesmo. É só irmos direto para as sessões de fotos e as eliminações, pulando toda a parte dos dramas e conflitos das concorrentes.
Que nunca eram lá muito interessantes mesmo.