11.4.06

O Caso do Primeiro Dia


O Caso do Primeiro Dia

A KLM (Linhas Aéreas Reais) prosseguiu ganhando muitos pontos na competição companhia aérea-boazinha: cada assento tem uma telinha individual, com opção de uns 50 filmes, 15 seriados, programas de política e de turismo. E os filmes são bons – só tem lançamentos e clássicos.
O que acabou atrapalhando meu sono, porque fiquei vendo “O Homem do Tempo” e “Memórias de uma Gueixa”, e embora eu desse umas pescadinhas eu acabava acordando, voltando o filme (é, tinha jeito) e continuava assistindo. Para completar, a tripulação passava toda hora oferecendo bebidas e, às quatro da madrugada, até sorvete de Bariloche!
Outra coisa dez é o apoio de cabeça, que tem abas que você pode levantar para apoiar a cabeça dos lados. Então, nada de dormir sentado e acordar assustado com a cabeça caindo!
No final das contas, dormi direto só umas duas horas, mas me diverti tanto durante o vôo que nem registrei (muito) o desconforto de 11 horas dentro de um avião.
Desambarcamos, mostramos nosso passaporte para ser carimbado e pegamos a bagagem rapinho. Nada daquelas neuras de americano de raio-X pra galera, conferência de bagagem e escaneamento do dedinho.
Fomos ao centro de informações turísticas (facílimo de achar, porque eu já tinha pesquisado e anotado onde era no meu caderninho mágico), também conhecido como VVV (iniciais em holandês) e pronunciado fei-fei-fei. Uma moça simpática, embora algo lenta, nos atendeu. Acabando comprando vários ingressos de museu adiantados, city tour, passeio de barco e, mais importante, passagem de van para o hotel. Demos a maior sorte: junto conosco veio uma família de seis que ia ficar hospedada no mesmo hotel, então viemos direto para o NH City Centre!
Que também ganhou pontos de hotel-bonzinho: front desk sorridente e eficiente, mais ovinhos de chocolate para os hóspedes! Pedi tesoura, adaptador de tomada e cartão de internet wireless e me arranjaram tudo na hora (o cartão custou 15 euros, é verdade). Para completar, sabonete e gel de banho deliciosos, com o maior cheiro de tangerina, e um quarto estiloso, embora minúsculo. Com vista para o Singelgracht (o canal Singel, seus analfabetos em holandês!).
Tudo estava caminhando maravilhosamente bem, até o tempo (que estava frio, mas claro), decidir parar de cooperar e começar a chover e ventar de maneira muito irritante. Não nos deixamos deter, é claro, mas conseguimos molhar vários casacos e alguns sapatos.
Passeamos à pé pelo centro todo (o hotel é muitíssimo bem-localizado), comigo me perdendo cada vez mais. Sim, todo mundo sabe que eu não tenho a menor capacidade de me localizar, mas costumo confiar na minha memória visual, que é razoável. Só que em Amsterdam a uniformidade arquitetônica de prédios e canais é assustadora! Então eu sigo o Leo igual a um cachorrinho, com muito cuidado para não me separar dele e nunca mais ser encontrada! – Comentário do Leo – Mais uma vez minha capacidade de localização geográfica se mostra indispensável em viagens. Junto com o poder de comunicação da Lud formamos uma dupla perfeita e imbatível para o Amazing Race.
Almoçamos em um lugar aconchegante e simpático (http://www.de-passage.com/). Demos 15% de gorjeta, o que nos valeu muitos sorrisos e nos deixou extremamente populares. Mas estávamos com muita fome e a comida, tão boa e farta, que achamos que valeu a pena.

2 comentários:

Anônimo disse...

Continuem postando pois e´super legal receber noticias super fresquinhas
Beijos pappy e mammy

* Isa * disse...

the amazing race! the amazing race! aí está um reality show que eu gostaria de participar.
quero fotos! quero fotos!