16.5.06

O Caso da Estante

Lembram-se dos bonitos móveis Todeschinni? Pois é. Depois de devolvermos as mãos francesas inúteis na loja e ganharmos 75 reais de crédito (dinheiro vivo, nem pensar), surgiu outro porém: descobrimos que a estante era horrivelmente profunda e alta, e os livros que a gente punha ficavam perdidos em todo aquele espaço, coitados.

Mas o Leo logo arranjou uma solução: colocar coisas na frente dos livros. Então agora nossa estante contém itens como uma ovelhinha de Bariloche, um navio que ganhamos de presente e um gatinho sentado numa poltrona. Com a última viagem, entraram na dança um globo terrestre vindo de Amsterdam, uma armadura em escala reduzida comprada em Brugge e um tamanquinho holandês de cerâmica de Delft.

Para completar, na última ida a BH eu trouxe um bonequinho do Mickey clássico com uma cabeça que balança de cá pra lá igual aqueles cachorrinhos de camelô, e que eu comprei com 40% desconto na época em que eu trabalhava na Disney.

Então o quarto do computador ficou sendo o lugar das lembranças de viagem. De Paris temos o mousepad da Monalisa. Só ficou faltando um souvenir de Aruba!

Acho que a gente devia voltar lá para arrumar um.

3 comentários:

Julio disse...

Em casa eu só tenho Made in Taiwan e Paraguai :(

Lud&Leo disse...

E nem vale, porque você tem que ter IDO nos lugares, entende? (momento esnobe horrível)

Julio disse...

Réplica super-atrasada:
Já fui ao Paraguai... (grande coisa)