24.5.06

O Caso do Aparelho de Tortura, er, Ginástica II

Lá fomos eu e o Leo, animados e felizes, prontos para nos tornamos seres muito atléticos e recuperarmos o dinheiro gasto na máquina elíptica (esse é o nome genérico do aparelho de tortura). Afinal, com a grana dava para pagar 10 meses de academia para cada um (sim, é um número impressionante, mas academia aqui no interior é muito, muito barato).

Colocamos um filme na tevê e começamos. No peso mais baixo. Com os apoios para os braços fixos. Assim, para irmos nos acostumando.

O trem é tão puxado que tivemos que fazer em turnos, porque depois de um tempinho a gente tinha que parar para descansar!

E não fiquem achando que nós somos muito moles, não: o Leo nada centenas de metros na piscina do clube numa boa. E eu... bem, eu fazia bicicleta ergométrica todo dia.

O mais engraçado é que os primeiros 30 segundos dá pra fazer sem problema. É até gostosinho. Aí, de repente, do nada, fica dificílimo, seus músculos ardem, seu coração dispara, e você começa a lutar para respirar.

Estou achando que tem alguma coisa errada. Que parece que o orbitrack está no nível mais fácil, mas só parece. Que na verdade esquecemos de encaixar ou soltar alguma coisa e na verdade ele está no nível hiper-ultra-mega pesado para campeões.

Só pode ser.

3 comentários:

* Isa * disse...

Ludinha querida e esquecidinha - quando vc me disse que ia comprar um elipticon, eu te avisei que era a máquina do demo. Eu te disse que vc não ia aguentar nem 10 minutos em cima dela, porque eu morri com 5 (isso na época que eu corria meia hora 3 vezes por semana). Mas não!, vc não quis acreditar. E ainda esqueceu! Blé! =)

Anônimo disse...

Vcs estao exagerando. Aposto que esta maquina eh moleza!

Marco

Lud&Leo disse...

Isa,
and so you said. NOW I remember.
Aparentemente, tarde demais.