12.6.06

O Caso do Dia dos Namorados

Desde que eu arrumei emprego e nos casamos (o que aconteceu quase que simultaneamente), eu e o Leo meio que paramos de nos dar presentes em ocasiões festivas. Ok, não foi meio que paramos: foi paramos mesmo.

Explico: na época em que éramos adolescentes duros, os presentes eram muito importantes para a gente adquirir bens de consumo. Hoje em dia, que ganhamos bem, quando queremos alguma coisa, a gente sai e compra. Então nunca estamos precisando de nada.

Não consigo decidir se estamos sendo práticos ou preguiçosos. Porque, por um lado, somos partidários da teoria que ficar comprando coisas só para ocupar espaço em nossa pequena casa não vale a pena. Por outro, sempre achei que símbolos têm o seu valor.

Para não dizer que o romantismo morreu, no Natal passado a gente se deu a viagem à Disney. E quando eu fiz trinta anos, fomos à Europa. Mas, para falar a verdade, são coisas que a gente faria de qualquer jeito. Sem falar que em julho o Leo faz aniversário mas não temos mais férias – e aí, ele fica sem viagem e sem presente?

Hoje é dia dos namorados e neca de troca de presentes. Isso é bom – estamos além da fase de tentar conseguir favores do outro em troca de bens materiais – ou é ruim – estamos tão confiantes no nosso relacionamento que achamos que não precisamos nos esforçar mais?

2 comentários:

Anônimo disse...

Romantismo e´sempre necessário para manter o amor .Nada com um café na cama ,uma flor ,um carinho especial , um olhar gostoso....São pequenas coisas que fazem o amor ir se renovando todos os dias.Não e´preciso grandes feitos para se demonstrar amor.
Feliz dia dos Namorados .......

* Isa * disse...

o rafa vai ganhar uma garrafa de tequila, e eu vou ganhar alguma coisa do naipe. em breve meu barzito estará pronto e vocês poderão tomar muitos drinks! =D