17.8.06

O Caso do Reloginho

Quando me formei em direito, no longínquo ano de 1998, meu avô chamou meu pai e pediu para ele comprar um presente para mim. Meu pai resolveu o problema mandando que eu mesmo comprasse o presente, e aproveitou para sugerir “uma caneta bonita, com a data gravada”, que é o que ele acha o melhor presente de formatura de todos os tempos.

Como eu não tinha tanto interesse assim na caneta bonita, terminei comprando um bonito relógio (sem a data gravada). Achando-me muito esperta, escolhi um modelo movido a corda, e não a bateria, sendo que a corda era dada naturalmente pelo movimento do braço. A idéia é que eu nunca teria que me preocupar em trocar a bateria, nem em ficar dando corda no relógio. Ele era praticamente um moto-contínuo!

Pois bem. Depois de algum tempo percebi que o reloginho era danado para adiantar. Não consegui descobri se isso se devia ao fato de que eu gesticulo demais (já me disseram que se alguém segurasse meus braços eu não ia conseguir falar. Mas depois li a respeito de uma pesquisa a respeito do assunto, que chegou à conclusão que as pessoas que acompanham as palavras de gestos dinâmicos são consideradas mais inteligentes e mais articuladas que as outras, então continuei). Como chegar adiantada aos compromissos é bom, não me importei.

Mas agora o reloginho está pedindo socorro. Ao invés de adiantar, agora ele atrasa horrivelmente. O ponteiro dos segundos pára a seu bel-prazer, sem se importar com as minhas enérgicas sacudidas de braço. Já troquei o coitadinho do pulso esquerdo para o direito, que é mais ativo; já passei vários minutos agitando-o freneticamente. Nada adiantou. Acho que vou ter que levá-lo ao relojoeiro.

Estou me sentindo enganada.

3 comentários:

DaniMarco disse...

Infelizmente, você já sabia que o grande sonho da mecânica é encontrar o moto-contínuo. Não, ele não existe. É por isso que nunca pus muita fé nesses relógios auto-encordoantes. E até que o seu relógio durou muito...

* Isa * disse...

especialmente se considerar que vc formou de novo, casou e mudou!
se vc quiser meu relógio super colorido, brilhante, à prova-d'água e bom de morder eu te empresto! (desconsidere o bom de morder, nesse caso =)

kat disse...

Pense como a Pollyana, ele durou 8 anos sem pedir socorro, já está ótimo!
Leva o coitadinho no relojoeiro...