31.1.07

O Caso do Platô Imaginário

Há duas semanas dias minha balança não mostra a menor diferença. E isso contando calorias religiosamente e fazendo exercício todos os dias.

Fiquei imaginando que eu havia chegado ao temido platô – aquele momento que é o terror das pessoas que fazem dieta, porque nele o peso se mantém inexoravelmente igual, não importa o que se faça. O que, coonvenhamos, desanima qualquer cristão.

O Leo veio em meu socorro argumentando que eu não estava no platô – estava era me pesando em uma balança vagabunda. De fato, minha balança apresenta vários problemas. Para começar, ela sempre marca três quilos a menos. Vocês imaginam a surpresa que eu tive a primeira vez que fui à academia, me achando esbeltíssima com 49 kg, e escutando do instrutor que, na verdade, eu pesava 52. Um horror.

Para continuar, como ela é uma balança de ponteiro, realmente fica difícil enxergar o que ela está marcando. Diferenças de menos de meio quilo ela simplesmente não registra.

Antes de ontem chegou a balança digital nova e linda que compramos pela internet. Ela marca o peso de 100 em 100 g. Já me pesei nela três vezes, em momentos diferentes do dia, com e sem roupa, e ela mostrou diferenças de 800 g.

Enquanto isso, na balança antiga, o ponteiro nem se mexe.

30.1.07

O Caso do Novo Estilo

Na terceira temporada de Project Runaway, havia uma estilista elegantérrima, que tinha cabelo vermelho-fogo e só vestia preto e branco.

Na semana passada, pintei as unhas de vermelho-fogo. Inspirada pela estilista, faz quatro dias que eu só visto preto e branco. E estou me sentindo elegantérrima.
O único problema é que o esmalte vermelho-fogo não durou muito. Para compensar, estou usando minhas roupas preto-e-brancas com sapatos roxos.

29.1.07

O Caso do Sistema Cardiovascular II

Reclamei com uma colega de trabalho – que nada muitos mil metros por dia e completou a volta da Pampulha sem treinar – da minha incapacidade de correr (isto é, trotar) mais de um minuto seguido e ela respondeu, enigmaticamente:

“Isso muitas vezes é coisa da cabeça.”

Eu disse que um cardiologista já tinha diagnosticado o meu excesso de batimentos cardíacos como uma característica do meu organismo e ela deu outra resposta ao estilo Oráculo de Delfos:

“Sempre desconfiei que você não respira direito.”

Indignada e disposta a provar que ela estava errada, totalmente errada, que o meu corpinho é frágil e que eu possuo limitações orgânicas, fui correr com o Leo no sábado de manhã.

Corri 30 minutos, com um único intervalo de dois minutos de caminhada entre dois períodos de 15.
Estou chocada até agora.

26.1.07

O Caso do Sistema Cardiovascular

O Leo disse que pessoas magras não têm direito de reclamar, mas eu acho uma grande injustiça o fato de eu fazer bicicleta ergométrica, caminhar ou trotar praticamente todo dia e ter um sistema cardiovascular ridículo.

É assim: basta eu fazer um exercício um pouquinho mais puxado (como trotar por 500 metros) que meu coração dispara, meus pulmões se revoltam e eu fico roxa de esforço.

Um cardiologista já me disse que sou assim mesmo, não tem jeito. Que com muito, muitíssimo exercício é capaz de eu melhorar um pouquinho.

Mas isso não me revolta. O que me revolta é ir caminhar com o Leo e, enquanto eu me mato para fazer o meu treino de intervalo (um minuto andando, um minuto trotando), ele, que odeia exercício, sair correndo na frente. E, quando a gente se encontra de novo, ele ainda esnobar: se eu fizesse bicicleta todo dia e tivesse este Nike Shox eu estava voando baixo nesta pista.
É muito injusto.

25.1.07

O Caso do Programa

Aaaaaaaaaah eu quero ser estilista!

Estou vendo Project Runaway e adorando. No programa, 15 estilistas enfrentam desafios fashion (do tipo “modernize um ícone da moda”) e são descartados um a um. Os três últimos têm a oportunidade de fazer uma coleção inteira, e deles sai o grande ganhador. Eu tenho certeza que, se eu participasse, eu seria a grande ganhadora!

Confesso: eu já quis ser um dos decoradores de Changing Rooms (Minha Casa, Sua Casa). Mas só porque eu estava meio cega pelo casaco de pedaços de couro do Lawrence. Agora, vendo Project Runaway, eu acho que eu realmente encontrei minha vocação!

Porque, vejam bem, eu gostava de Changing Rooms, mas não tinha idéia do que cada decorador ia fazer. Em Project Runaway, eu olho para as roupas que os designers bolam e deduzo o que o júri (formado pelo Michael Kors, pela diretora da moda da revista Elle e da supermodel Heidi Klum) vai dizer sem a menor dificuldade. Eu sei o que eles querem!
O único obstáculo entre mim e uma brilhante carreira de estilista é que eu não sei costurar.

24.1.07

O Caso da Ilusão

Meses atrás, eu estava organizando uns álbuns de fotos e me deparei com umas fotinhas minhas de adolescente. E concluí, muito satisfeita, que, embora na época eu fosse mais magra e tivesse mais cabelo (o que pode muito bem ser uma impressão falsa causada pelo corte Chitãozinho e do Xororó que se usava então), aos trinta eu sou muito mais bonita.

Pois é: essa bela ilusão está se desfazendo. Agora que eu emagreci três quilos, o meu rosto voltou a ficar anguloso. O meu queixo está mais pontudinho do que nunca e as minhas maçãs do rosto estão tão definidas que chegam a ser ameaçadoras. A verdade é esta: a beleza do meu rosto depende das gordurinhas do meu corpo!

Mas não quero nem saber. Recuso-me a ter pneuzinhos. O jeito é passar bastante blush, para fazer as pessoas acreditarem que eu tenho bochechas.

23.1.07

O Caso da Lindíssima Planilha

Para ajudar na minha dieta, o Leo fez uma planilha lindíssima no Excel. Em uma aba, você põe peso, altura e nível de atividade física, e ela calcula quantas calorias você precisa por dia para se manter. Em outra, você põe a quantidade de comidas que você consumiu, e ela te dá o nº de calorias ingeridas. A terceira cruza todas essas informações e te conta quanto peso você perdeu (ou ganhou).

De posse dessa planilha lindíssima, dá pra fazer uma dieta científica. E quando chega o final do dia e fico abaixo da meta diária, incluo umas rações reduzidas de chocolate (tipo 10 gramas) sem avacalhar meu programa de emagrecimento.

Sim, porque eu ainda ambiciono perder dois quilos. Embora o Leo diga que linda mesmo eu estava quando voltei dos Estados Unidos, pesando uns 55 quilos e com as bochechas gordinhas.

22.1.07

O Caso das Calorias

Fazer dieta NÃO é uma coisa fácil, operacionalmente falando. A primeira impressão que você tem é que basta diminuir a comida para perder peso. Mas o negócio é muito mais complicado do que isso. Quanto de comida diminuir? Assim é muito? Assim é pouco? Esse tanto de fome é pouco? Esse tanto de fome é muito? Estou emagrecendo de maneira saudável? Ou ficando desnutrida e com as unhas fracas?

Como eu gosto de fazer as coisas de maneira científica, pesquisei aqui e acolá e acabei descobrindo a uma fórmula que calcula quantas calorias por dia são necessárias para você manter o seu corpinho como está. Aí, ao invés de navegar no escuro, você tem uma idéia melhor do que precisa cortar. Sem jamais ficar abaixo do limiar sagrado de 1.200 calorias (o que poderia frear o seu metabolismo por anos!).

O que a fórmula tem de chocante é que a gente precisa, na verdade, de muito poucas calorias para viver. Eu, por exemplo, que nem chego a um metro e sessenta e agora peso quarenta e nove quilos e meio (iupi!), preciso de míseras 1.600 calorias por dia para não diminuir nem aumentar. E isso levando em consideração que eu faço pelo menos 50 minutos de exercício aeróbico cinco vezes por semana! Sem o exercício, o nº de calorias cai para ridículas 1.400.
Leiam e chorem.

19.1.07

O Caso dos Temas de Post

Eu achava que postar sobre dieta não fazia o menor sucesso, porque:

a) as pessoas que não fazem dieta não ligam a mínima;

b) as pessoas que fazem dieta precisam tirar a cabeça da comida, ao invés de ler posts sobre dieta;

c) não tem nada que diga mais “falta de assunto!” do que fazer uma lista das comidas ingeridas durante o dia.

Além disso, não quero que me acusem de promover uma visão distorcida do corpo humano, gerando baixa-estima nos meus leitores e conseqüentemente aumentando o risco de que eles eventualmente desenvolvam distúrbios alimentares.

Mas enfim. Descobri um blogue chamado “Meu Emagrecimento”. É de uma moça que perdeu quase 50 kg, e ele tem centenas de acessos diários.

Por que o MEU blogue não tem centenas de acessos diários?!?
(Talvez porque quase 50 kg já seja o meu peso inicial.)

18.1.07

O Caso das Resoluções

Resoluções para o Ano de 2007:
- Ser menos impaciente, menos crítica, menos sarcástica, mais sociável;
- Parar de inventar desculpas (como a pós-graduação) para não ir a eventos;
- Lembrar-me de ligar para as amigas em seus aniversários;
- Conseguir correr (isto é, trotar) por mais de 1 minuto seguido;
- Continuar tomando chá verde e me beneficiando de sua cafeína e seus antioxidantes;
- Usar a pilha de cosméticos guardados no armário do banheiro ao invés de comprar novos;
- Viajar com uma mala realmente reduzida;
- Trabalhar com mais afinco para ser uma funcionária pública ainda melhor.