12.2.07

O Caso do Guarda-Roupa de Viagem

Sim, eu sei que tem gente que acha que o importante é estar confortável e à vontade, e que minha preocupação com a roupa a levar em viagens é superficial, irritante e desnecessária. Afinal, quando você viaja você encontra pessoas que não te conhecem e que provavelmente nunca mais vão te ver de novo e, portanto, quem se importa que elas te achem deselegante?
Bem, dá licença – eu me importo. Acho que quem está bem-vestido é mais bem-tratado e mais bem-recebido (a não ser na Disneylândia, mas lá é a terra da fantasia). E desafio a me provarem o contrário!
Vou ilustrar minha tese com um exemplo real: em Amsterdã, o Leo comprou um sobretudo preto. A partir daí:
- um barco de turistas orientais nos confundiu com a realeza;
- os moradores de Brugge perguntavam se ele era inglês;
- na hora de embarcar, a aeromoça queria botá-lo à força na primeira classe (ele teve que recusar para não me deixar para trás).

Acho que não preciso dizer mais nada.

2 comentários:

Anônimo disse...

Ei Lud!!

Concordo plenamente com você! Tem que se estar elegante sempre! Afinal ser chique e se manter chique não é fácil, né? fora o fato, é claro, que vocês esqueceu de citar as FOTOS da viagem... Como é que você irá guardar fotos para o resto da sua vida e mostrar para os seus sobrinhos e netinhos fotos em que está vestida como uma baranga?? Não dá!!!

Beijo,

Christina

* Isa * disse...

mas daqui a vinte anos vc vai se achar baranga, independente do esmero na escolha da roupa! =) ou vai dizer que vc também não se esmerava nos anos 80? =)
e pode ter certeza que o seu truque só funcionou porque foi no Leozito. Se fosse em mim, não ia ganhar nem um amendoim a mais no avião.