11.5.07

O Caso da Doença

Toda vez que eu fico doente, o Leo acaba ficando, e vice-versa: é o único ponto negativo de morar na mesma casa e viver grudado.

Dessa vez ele teve uma infecção de garganta brava, dessas que exigem antibióticos cavalares. Fiquei me gabando de não ter pego a danada, mas ontem fiz a bobagem de tomar água no mesmo copo dele (ele já tinha praticamente terminado de tomar os antibióticos cavalares! Estava recuperado!) e hoje acordei com o corpo todo doendo e a garganta incomodando.

Ok: na verdade, meu corpo está doendo faz uma semana. Achei que fosse por causa das mudanças e tensões no trabalho, mas agora estou vendo que era um aviso para eu ficar quieta e repousar enquanto meu organismo combatia a doença.

Como não dei bola, ela resolveu atacar com força total, bem na véspera do fim-de-semana, como as doenças costumam fazer.

Mas não me dou por vencida: fiz gargarejo com água e sal, estou tomando litros de chá verde bem quentinho, e já extraí da minha chefe a promessa de me trazer um pouco de gengibre, que ela disse que é *ótimo* para a garganta.

Vamos ver quem vence a guerra: a doença ou eu.

2 comentários:

* Isa * disse...

hoje acordei gripada, mas não acho que é coincidência - a frente fria que chegou ontem enquanto eu estava na tal festinha no morro do chapéu também deve ter chegado aí, né?

Anônimo disse...

Espero que vc vença a guerra, amiga! E parabéns atrasado!!!
Vc vai para BH no dia das mães? Eu vou sábado e fico lá até terça. Diz que vai! Tô com saudades!
Bjo
Lili