12.6.07

O Caso do Labirinto

Nas asas da faringite e da supergripe, veio um desagradável ataque de labirintite – não muito forte, mas persistente. Aconteceu a mesma coisa no ano passado, só que daquela vez um remedinho leve receitado pelo médico reumatologista (?!?) do pronto-atendimento deu conta. Dessa vez o Labirin não deu nem pra começo de conversa: não fez praticamente nenhum efeito, e ontem o otorrino me lascou quase um mês de Vertizine D, um daqueles remédios cuja bula avisa que você não deve dirigir nem operar veículos pesados.

Como eu não dirijo nem opero veículos pesados, tudo bem. O problema é que a bula também diz que não se deve ingerir álcool durante o tratamento, e eu já estava contando com umas tacinhas de vinho nas férias...

Vou ter que ligar para o médico e negociar.

Fora isso, o Vertizine D é muito bom. Depois de dias meio mareada, estou me sentindo bem. Com um sono, que é um dos efeitos colaterais do remédio, absolutamente incrível, mas fora isso muito bem.

Um comentário:

* Isa * disse...

nas quando a gente tá dodói, a gente pode dormir muito! =)