10.10.07

O Caso da Amizade

Ando desconfiada de que sou uma amiga mais ou menos. Eu esqueço aniversários (né, Fê?), prefiro mandar mails a telefonar, e sempre perco números de celulares e endereços. Se eu pensar bem, se não fosse a internet eu não teria amigos.

Andei refletindo e cheguei à conclusão que a culpa não é totalmente minha. Eu tive uma infância meio solitária, porque gostava mais de ler livros do que conversar com pessoas, e, portanto, não aprendi direito os mecanismos da amizade.

Mas não seja por isso. Decidi que farei o possível para ser uma amiga top de linha. O primeiro passo é arrumar uma caderneta para anotar endereços e telefones. O segundo é fazer uma lista de aniversários e deixar num lugar bem visível.

Para completar, vou à BH no feriado somente para ver uma amiga. E para a outra, cujo aniversário foi esquecido e estará viajando, deixarei um lindo presente.

Assim que eu descobrir o número do apartamento dela.

Um comentário:

Anônimo disse...

Ei Lud!!!
Não pense assim... você é uma ótima amiga!!! Estou aqui pra demonstrar isso.. afinal sou sua amiga desde os tempos do (argh!) Santo Tomás de Aquino... com uns 14 anos, se me recordo bem.....

Beijo!

Christina