31.10.07

O Caso das Estratégias de Viagem

Eu acho que viajar é pura diversão. O que estraga um pouco são as burocracias: esperar no aeroporto, passar horas dentro do avião, ficar na fila da alfândega. Para tentar deixar essa parte tão legal quanto o resto, tenho desenvolvido estratégias, inclusive algumas que experimentarei na próxima viagem e contarei se funcionam:

1) sorrir, sorrir e sorrir. Quanto mais trash a situação, mais inesperado e importante é o sorriso. Ainda estou para encontrar uma comissária de bordo/garçom/ recepcionista de hotel que a resista a uma exibição de todos os meus dentes.

2) esperar que dê tudo errado: que o vôo atrase, que o check-in demore, que os amendoins acabem. Resultado: você não fica irritado quando os imprevistos acontecem, porque já estava contando com eles, e fica felicíssimo quando tudo dá certo.

3) descobrir o site do aeroporto e ver o que ele tem de interessante, incluindo o tax free shop. Investigar se o cartão de crédito dá direito a alguma sala vip.

4) possuir malas reduzidíssimas, evidentemente de rodinha. Aí fica fácil pegar táxi, entrar no ônibus que liga terminais, tirar a bagagem da esteira. Além do mais, se a sua mala for pequetita, a chance do carregador maltratá-la é menor.

5) ter livros interessantíssimos à mão para ler nos momentos de espera. Meus preferidos: pocket books de qualidade literária duvidosa – porque aí eu não tenho dó de jogá-los fora quando acabam. Também gosto de ter uns petiscos saudáveis na bolsa, porque comida de aeroporto costuma ser cara e ruim.

6) levar protetores de ouvido e máscara para os olhos para tentar dormir no avião. É impossível prever se uma criança vai chorar ou se o moço na fileira do lado vai passar a noite toda com a luz ligada lendo um pocket book de qualidade literária duvidosa.

7) usar aroma de hortelã para combater o jet-lag (acho que pastilhas de hortelã Garoto devem funcionar).

8) tomar Dramim (auto-explicativo). Lembrando que o Dramin deve ser tomado pelo menos 40 minutos antes do vôo, ou seus poderes anti-enjôo ficam severamente comprometidos!

3 comentários:

* Isa * disse...

quanto mais pequetitas as malas, maior a chance do tratorzinho arrastá-las por todo o aeroporto e elas ficarem completamente destruídas. =I

Daniela disse...

Ainda não cheguei a tentar apelar para protetores de ouvido. Será que funciona? (eu adoro ficar ouvindo aquelas musiquinhas no vôo, pra disfarçar o barulho do avião) E levar Ipod, será que ajuda pra distrair (o problema é que vc quer conversar com a outra pessoa)?
PS: ainda não faço idéia de como fazer malas reduzidíssimas, mas juro que estou tentando... Obrigadinha pela ajuda =)

Camilinha disse...

O duro é que, do jeito que as coisas andam, é capaz de o efeito do dramin passar e você não ter embarcado. hahahaha