28.3.08

O Caso do Mistério dos Estudos

Uma discussão intensa na hora do almoço motivou a seguinte pergunta: dá para ter prazer estudando?


Eu sou da corrente que acha que sim. E mais: que tem um momento misterioso, depois que você já estudou muitos dias, quando tudo começa a fazer sentido e você acerta todos os exercícios, que é pura alegria.


É verdade que tem momentos em que até ver “E!True Hollywood Story” repetido parece melhor que enfiar a cara nos livros. Então eu acho que o prazer de estudar depende de:


1) primeiro de tudo, material bom. Em um nível que você entenda. Se os textos forem difíceis demais, e o esforço para compreendê-los demasiado, o freguês desanima e vai ver a história da Lara Flynn Boyle e sua suposta anorexia.


2) lugar adequado. Cadeira confortável, mesa na altura boa e, principalmente, silêncio. Ninguém dá conta de absorver conteúdo com a Lara Flynn Boyle afirmando ao fundo que nunca teve problemas de peso.


3) chocolatinhos. Auto-explicativo. Recomendados para você E para a Lara Flynn Boyle.

3 comentários:

Daniela disse...

Eu ainda aposto na combinação Clight de morango + pastilhas de hortelã. Por alguma razão, parece comida para o cérebro (ou o meu cérebro tem um gosto esquisito).

Camilinha disse...

Eu amo estudar, então, para unir o agradável ao agradável, é só juntar um ovinho de páscoa, não?
=D

delilah disse...

estudar só é bom quando vai trazer recompensas, tipo formar, passar num concurso, aprender a fazer alguma coisa que você precisa/quer, dar uma promoção no trabalho.
porque se estudar fosse a maior curtição, você já tinha pego meus três livros de cálculo pra dar uma lidinha =D