11.3.08

O Caso dos Destinos

Quando vamos viajar, o que mais acontece é começarmos querendo ir para um lugar e terminarmos em outro. Já planejamos uma viagem para Nova York e acabamos na Disney. Já compramos os guias da Itália, trocamos por uma viagem de volta ao mundo, e por fim fomos à Nova Zelândia.

A questão é que, quando se fala em viajar, há literalmente um mundo de escolhas. Junte-se a isso a disponibilidade das férias, o clima de cada lugar a cada estação, o câmbio de cada moeda, e já viu. Sem falar que eu sou fã da tal da “oportunidade”: é me contarem que tem um pacote ótimo para lugar tal que já fico toda assanhada.

O jeito é a gente se organizar e fazer uma lista de objetivos. Para não ficar pipocando em países de interesse médio e bom custo/benefício e adiando os países que realmente nos interessam. Gosto é gosto, mas eu troco três Chiles por uma Escócia, e várias idas ao Nordeste do Brasil por duas semanas no interior da França.

E, ultimamente, tenho gostado muito da carinha da Dinamarca.

2 comentários:

Liliane disse...

Ai, amo o Nordeste! Fui a umas 20 praias na NZ e nenhuma mais bonita que Coqueirinhos, em João Pessoa!
Saudades, Lud!
Lili

Delilah disse...

SALVADOR! SALVADOR!
Acabei de ficar sabendo de um pacote all-inclusive baratíssimo, num hotel que tem uma suíte decorada em tons de natureza, e que inclui um passeio a Morro de São Paulo! Que tal?