30.5.08

O Caso do Creme Crocante

Dieta sem um agradinho não é dieta. Na segunda-feira comprei um pote de sorvete de Creme Crocante da Kibon. É daquela linha metida à besta, a “Carte D’Or”. E como é bom!

Ele é visivelmente inspirado no sorte Pralinés and Cream da Häagen-Dasz. A diferença é que, enquanto o sorvete importado tem pedaços gigantes de amêndoas caramelizadas, o nacional tem minúsculas quantidades de castanhas de caju de longe em longe.

Minha porção é de 30 g, equivalente a 60 calorias. Deve dar umas duas colheres de sopa.

Mas não há de ser nada. Dizem que as três primeiras colheradas é que são as mais gostosas mesmo.

28.5.08

O Caso do Adeus ao Azeite

Acrescentei duas colheres de sopa de azeite à minha alimentação durante dois dias. Hoje é o terceiro e já estou achando que foi uma idéia retardada.

Primeiro porque tuuudo ficou com gosto de azeite, até o café-da-manhã. Segundo porque eu não senti menos fome nada. E terceiro – golpe mortal! – é que eu engordei 100 g de ontem pra hoje.

A conclusão é que o que importa para emagrecer é a quantidade de calorias mesmo, e não a qualidade. Então vou gastá-las com brigadeiros, obrigada.

27.5.08

O Caso do Azeite

Decidi trocar meus dois brigadeiros diários e minhas mini-frituras do almoço (minha única alegria!), por duas colheres de sopa de azeite. Segundo a revista Boa Forma, se eu seguir uma dieta equilibrada (isto é, 1.200 calorias, contando as tais colheradas), vou perder dois quilos em uma semana, além de não passar fome, porque as gorduras “do bem” diminuem o apetite e regulam os hormônios que comandam o acúmulo da banha, principalmente na região abdominal.

Du-vi-de-o-dó. Porque a revista recomenda as duas colheres de azeite e a dieta de 1.200 calorias pra todo mundo, e eu 1) já estou comendo 1.200 calorias (na média) há três semanas; 2) já sou pequetita.

Enfim, vou fazer a experiência. Mal não faz, porque uma alimentação rica em azeite é benéfica para o sistema cardiovascular. E, se der certo, terei comprovado que não é só a quantidade de calorias que importa para esmagrecer: que a qualidade dos alimentos também conta.

O problema é que duas colheres de sopa é azeite pra caramba. Comecei o plano ontem, na hora do almoço, e a salada ficou com gosto de azeite, o sanduíche integral da noite ficou com gosto de azeite, e o ovo cozido do café-da-manhã também ficou com gosto de azeite. Eu gosto de azeite, mas assim também já é demais! Talvez a idéia seja deixar a pessoa enjoada de tanto azeite, e aí ela coma menos.

De ontem pra hoje perdi 200 g, mas acho que foi mais resultado do bom comportamento alimentar dos últimos dias do que efeito milagroso do azeite.

Aguardem os próximos capítulos.

26.5.08

O Caso da Terceira Semana de Dieta

Lembram da década perdida do Brasil? Pois é, essa foi nossa semana perdida. Ao invés de perder peso, ganhei 400 gramas. O Leo ganhou 100. E isso correndo todo dia, sentindo fome etc.

Para ser justa, não passei tanta fome assim. Em retrospectiva, vejo que o que aconteceu foi o seguinte: fiquei muito confiante com a perda de peso das duas primeiras semanas; fui correr com o freqüencímetro na segunda-feira e ele marcou o consumo de 540 calorias; aí fiquei achando eu podia comer por conta e acrescentei mais 200 calorias de bobagens à minha cota diária. Além disso, saímos da linha na quarta-feira (brigadeiros + pipoca) e na quinta (muito chocolate + muita pipoca no cinema).

Com todos esses poréns, não é de se espantar que a dieta não tenha ido muito bem. O problema é que estamos pianinho desde sexta-feira e, até hoje, a balança não se dignou a nos retornar ao peso do início da semana. Mas, como diriam os galináceos, o importante é não se deixar abater.

E não estou abatida mesmo não: afinal, minha pele está rosada de tanto exercício, e estou me sentindo estranhamente magra (estranhamente porque a balança não concorda, mas as calças já estão começando a ficar larguinhas).

O plano de ação para esta semana que começa é cortar os abusos (nada de pipoca!) e tentar dividir as calorias de bobagens por dois. Quanto à corrida, o Leo quer passá-la de diária para quatro vezes por semana, para os músculos descansarem e a gente render mais. Estou tentando convencê-lo a ir caminhar nos dias que sobram. Difícil vai ser estar na pista, de tênis, e resistir à vontade de dar ao menos uma corridinha.

23.5.08

O Caso do Dedinho

Caí na bobagem de deixar meu Nike Shox na área, a faxineira viu e, nhoct, lavou o coitado. Aí o jeito foi correr na segunda-feira com um Reebok antigo que eu tenho.

Resultado: todos os dedinhos do pé doendo. Durante a dia seguinte, eles se recuperaram, menos o segundo dedo do pé direito. Ele não está inchado nem roxo, mas quando eu dou uma passada, pronto, ele dói. Fiquei um dia em casa para ver se o repouso o ajudava, mas ele não melhorou em nada.

Então hoje saímos de manhã cedo pra correr, eu fingindo que a dor não era comigo. Porque se você não for correr cada vez que alguma coisa dói, meu amigo, você não corre nem um dia.

O engraçado é que, durante a corrida, o dedo parou de doer. Mas foi só chegar em casa e tomar banho que ele voltou a reclamar.

Acho que está viciado em corrida, o danado.

21.5.08

O Caso da Corrida II

Achei que eu estava inteira depois de correr os dois km, mas foi só pisar na pista ontem que tudo doeu. Fiz no total os quatro km de sempre, mas mal e mal consegui correr um quilometrozinho. Sobrou pulmão e faltou músculo! Até a caminhada foi no sacrifício.

O engraçado é que estou louca para ir de novo. Quero saber como meu corpinho vai se comportar hoje.

* * *

Na balança, ganhei 200 g ao invés de perder, mas a verdade é que eu estou comendo uns docinhos que não estão no esquema. A justificativa é que estou gastando muitas calorias correndo, mas acho que não funciona bem assim (e nem eu estou correndo tanto assim).

20.5.08

O Caso da Corrida

Ontem eu corri 16 minutos sem interrupção!

Para mim é uma vitória pessoal. Eu consigo caminhar muito rápido – tão rápido que o Leo quase não dá conta de acompanhar. Pra correr, no entento, é outra história: em pouquíssimo tempo fico sem fôlego. Músculo pra correr eu até acho que tenho; capacidade pulmonar é que falta.

Ontem deu certo porque o Leo saiu correndo e foi lá pra longe, e eu não precisei acompanhá-lo. Pude ir no meu ritmo devagar-quase-parando, prestando atenção na respiração. Quase morri, mas consegui correr dois quilômetros inteiros!

Correr é maneira de dizer, né. Trotar.

19.5.08

O Caso dos Resultados

A dieta está um sucesso total: além de comer pouco, estamos caminhando/correndo todos os dias – inclusive sábado e domingo! Resultado: em duas semanas, eu perdi 1,7 kg e o Leo perdeu 4, 5 (eu sei, é um escândalo, ele devia se envergonhar, assim não dá pra competir).

Para completar, no fim-de-semana descobrimos que os brigadeiros feitos pela irmã da dona do restaurante no qual a gente almoça, que são deliciosos e realmente matam a vontade de comer doce, têm apenas 40 calorias cada, o que quer dizer que dá pra papar dois por dia sem fazer estrago na dieta. O Leo teve a ótima idéia de comprarmos um cento deles e congelarmos. Aí tiramos da geladeira só a ração do dia. Então, mesmo que a gente resolva comer um monte de uma vez, não tem jeito!

Projeto Chocolate? Foi para o espaço. Mas o importante é esmagrecer com saúde, né?

16.5.08

O Caso do Método Karina

Tenho uma amiga muito legal chamada Karina. Ela é alegre, animada, gosta de todo mundo e se enturma com a maior facilidade.

Observandoo-a aprendi o que eu chamo de “Método Karina de Fazer Amigos e Influenciar Pessoas”. Funciona, eu juro. Com ele você conhece pessoas, arruma amizades, sempre tem assunto, faz com que gostem de você em poucos minutos.

O método Karina é simples e brilhante. Ele se resume a um único mandamento: “Faça perguntas!”.

Mas não é qualquer tipo de pergunta, não. As perguntas têm de ser firmes, direcionadas, detalhistas. Se a pessoa cita o filho, você indaga como ele chama, que idade tem, se ele vai bem na escola. Se alude ao carro, você inquire qual é a marca, a cor, se é bom de dirigir. Pergunte mesmo, busque as minúcias, pesquise os pormenores. Faça até mesmo as perguntas que você não costuma ter coragem de fazer (“Mas então você não estava satisfeita com o relacionamento há quanto tempo?”).

Todo mundo gosta de falar sobre si mesmo. Existe um encanto peculiar naqueles que querem saber os detalhes de nossas vidas. Interessante é quem se interessa pela gente!

Minha amiga usa o método por puro instinto, porque ela gosta das pessoas. Eu uso de maneira calculada e fria, quando estou numa situação social.

É sucesso garantido.

O Caso do Reflexo

Estamos fazendo umas descobertas engraçadas. Depois de uma comilança, a balança acusa o aumento de peso do Leo no dia seguinte. O meu não; até emagreço. Dois dias depois, no entanto, mesmo passando a pão (integral) e água, ganho uns gramas.

Uma amiga já me disse que, segundo sua endocrinologista, o corpo demora três dias para metabolizar e incorporar aquilo que você come. Isto é: depois dos excessos, você teria essa janela de oportunidade para dar uma compensada. E seu peso de hoje corresponderia ao que você comeu três dias atrás.

Parece que funciona pra mim, mas não funciona para o Leo.

* * *

Quando fiz regime no ano passado, eu comia umas calorias de bobagens (um pouquinho de chocolate ou de sorvete à noite, mais umas mandioquinhas fritas no almoço) e mesmo assim esmagreci. Desta vez resolvi cortar essas perfumarias alimentícias, achando que ia ser uma grande vantagem. O resultado é que estou sentindo a maior falta, e mesmo assim não estou vendo grande diferença. O jeito é trazê-las de volta. Só assim eu agüento uns três meses dessa vida.

* * *

Ontem andamos/corremos e hoje não estamos doendo nada. Impressionante a velocidade com a qual o corpo se acostuma aos exercícios.

15.5.08

O Caso da Felicidade (Outro)

Após uma profunda introspecção, descobri que felicidade total pra mim é
Variável 1: morar em Paris
Variável 2: vivendo de escrever

Aí eu fico pensando se alguns sonhos são feitos para ser realizados mesmo. Axioma primeiro: o Leo não tem vontade de sair do país, e o Leo é essencial à minha felicidade. Acho que ele até iria me acompanhando, mas e se ele ficar infeliz por lá? Axioma segundo: uma coisa é morar em Paris num apartamentinho na Île Saint-Louis (como o Chico Buarque tem), e outra, bem diferente, é morar em Paris num studio num subúrbio, que é o que as economias do escritor iniciante dão conta de pagar. Axioma terceiro: viver de sua arte é muito bonito na teoria, mas passar fome ninguém quer.

Essa equação tem um resultado inesperado: é que eu quero é ser o Paulo Coelho. Afinal, ele é um escritor milionário e respeitado (embora não por mim) que tem um château na França.

Mas esse resultado não pode estar correto, porque eu abomino o Paulo Coelho. Conclusão: essa equação não tem solução.

14.5.08

O Caso do Aniversário

Hoje o Leo e eu estamos fazendo 15 anos de namoro!

Foram 11 anos de namoro mesmo, um de noivado e quatro de casamento. Sim, fui eu que enrolei o Leo enquanto fazia a segunda faculdade; sim, escutei muitas histórias de casais "que namoraram dez anos e puft, terminaram!"; não, eu não teria feito nada diferente.

Como eu fiz 32, daqui a pouco vou ter vivido mais anos com o Leo do que sem o Leo.

Mal posso esperar!

O Caso da Divisão Alimentar

Há algum tempo percebi que, quando a gente sai, não posso comer o mesmo tanto que o Leo, porque:
1) ele é homem;
2) ele é 30 cm mais alto do que eu.

Portanto, se a gente dividir a comida meio a meio,
1) ele vai ficar com fome;
2) eu vou virar uma bolota.

Então, passei a dividir os pratos em três e ficar só com um dos terços. É verdade que às vezes eu roubo e faço isso só com a segunda fatia de pizza, mas de maneira geral eu cumpro bonitinho.

A regra dos terços tem funcionado bem. Entretanto, ela não se aplica aos doces. Aí o negócio é meio a meio. Exijo cada farelinho de chocolate a que tenho direito.

Afinal, doce não é alimento. É diversão.

13.5.08

O Caso da Felicidade (Mais Um)

Às vezes eu fico pensando que tenho obrigação de ser feliz. Afinal, tenho emprego fixo, salário garantido no final do mês, um bom lugar pra morar, roupinhas bonitas no guarda-roupa, cabelo liso e, mais importante, alguém que eu amo e me ama de volta.

Um pensamento que já me ocorreu é que, daqui a 30 ou 40 anos, eu vou me lembrar dessa época da minha vida como um tempo em que eu era jovem, sem filhos e sem preocupações, e vou me amaldiçoar por não ter sido mais feliz.

Mas é felicidade é volátil e traiçoeira. Ela surge em momentos inesperados e desparece quando menos se imagina. Eu acho que eu devia ser perfeitamente feliz, mas não é o tempo todo que me sinto assim.

Talvez o problema é que eu confunda felicidade com êxtase. E não dá pra viver extasiada 24 horas por dia. Talvez a felicidade seja a ausência de miséria, de doença e de rancor. Nesse caso, eu sou uma pessoa muito feliz.

Uma vez li que felicidade é pular da cama todos os dias ansiando pelo que vai acontecer. Não, isso não acontece comigo, porque 1) meu trabalho é meio chato; 2) eu sou preguiçosa e preferia dormir mais.

Então talvez a minha felicidade esteja em 1) mudar de emprego ou de função; 2) fazer mais exercício para sentir menos sono.

12.5.08

O Caso do Balanço da Primeira Semana de Dieta

Foi positivo: eu perdi 700 g, o Leo perdeu 3 kg (!!!).

No fim-de-semana rolou pizza, vinho e chocolate, mas tudo em quantidade reduzida e compensado com caminha e corrida. Eu fui um dia só, e meu joelho começou a doer; o Leo foi dois dias, e hoje o corpo todo dele está doendo. Por outro lado, os resultados foram bons.

Nessa mesma época do ano passado, estávamos atléticos e felizes, correndo (trotando) mais de meia hora sem interrupção. Só no segundo semestre largamos mão da corrida. É impressionante como o corpo da gente se desacostuma a fazer esforço.

* * *

Projeto Chocolate

Lud 5, chocolate 3. O chocolate está diminuindo a diferença, mas como a idéia é ceder a ele um dia sim, um dia não, o placar pode até empatar que o Projeto Chocolate estará dando certo.

* * *

A primeira semana de dieta foi tranqüila; hoje estou sofrendo horrivelmente por saber que não tem doce no cardápio. O engraçado é que normalmente eu só como guloseimas à noite; pelo simples fato de estar de dieta, eu já queria um chocolatinho às 10 da manhã. É o paradoxo do regime: pensar muito mais na comida do que antes!

9.5.08

O Caso das Crianças

Após observer alguns eventos infantis com a objetividade de uma antropóloga, cheguei à conclusão que o problema não são as crianças pequenas: o problema são os adultos com crianças pequenas.

Os pais perdem todo interesse no mundo exterior. A conversa gira em torno das conquistas dos rebentos. Os encontros viram um momento de exibição do infante, coitadinho. E toca a cantar música do pintinho, do trenzinho, do carrinho e do coelhinho.

Sim, acho que se deve dar atenção e estímulo às crianças. Mas também acho que os pais devem lembrar que aqueles que não têm filhos possuem um limite de tolerância muito inferior àqueles que os têm. E que os amigos são seus, não dos seus filhos, e portanto estão muito mais interessados na sua vida do que na da deles.

Pronto, falei.

* * *

Perdi mais 200 g. O Leo perdeu o dobro. Continuamos animados e alegrinhos.

* * *

Projeto Chocolate (em dias):

Lud 4, chocolate 1. Papei meia trufa ontem, e ela estava óóótima! Resultado: não tive fome à noite, não comi carboidratos após as 18 horas, eles não retiveram 4 vezes seu peso em água, e eu esmagreci.

Lição de hoje: o chocolate é amigo da dieta!

* * *

Obs: o verbo “esmagrecer” é invenção da minha irmã Isabela. É uma mistura de “esmirrar” com “emagrecer” (ou pelo menos eu interpreto assim). Não é legal?

8.5.08

O Caso da Garrafa de Chá Verde

Estou trazendo uma garrafa inteira de chá verde para tomar no trabalho. Engana a fome que é uma beleza. Eu geralmente não sinto o estômago vazio de manhã, mas como estou comendo pouquíssimo no final do dia (isto é, não estou comendo), a fome ataca antes do lanchinho das 10 horas, que é uma singela maçã. Então bebo um copo de chá. Uma hora antes do almoço já estou esfomeada de novo, o que significa mais chá goela abaixo.

Não garanto que o chá verde aumente o metabolismo como dizem, mas sei que encher a barriguinha de líqüido quente é muito consolador.

Além disso, estou seguindo o exemplo dos japoneses, que tomam um litro de chá verde por dia. Diz a lenda médica que é por isso que a taxa de doenças cardiovasculares é tão baixa por lá.

O único inconveniente da tática é que minha mãe, quando esteve em minha casa, usou a garrafa térmica pra fazer café. Por incrível que pareça, o gosto grudou, e portanto o último copo de chá (que ficou na garrafa o dia todo) é praticamente uma xícara de café.

E não, eu não gosto de café.

* * *

Hoje eu ganhei de volta os 300 g que eu perdi ontem. Acho que deve ser o carboidrato (torradinhas integrais) que eu comi ontem depois das 18 horas. Científico, não? É que li em algum lugar que carboidrato retém quatro vezes seu peso em água. Mas se eu sentir menos fome hoje de manhã, tá valendo.

* * *

O Leo perdeu mais 200 g. Assim não dá pra competir!

* * *

Agora eu entendo porque nas dietas o povo se pesa uma vez por semana ao invés de todo dia. É para não estressar com as flutuações.

* * *

Projeto Chocolate (em dias):
Lud 4, chocolate 0.

O problema é que hoje eu convidei umas amigas a me visitarem para dar cabo de uns chocolates que estão por lá, e acho que não é educado oferecer e não comer. Fica parecendo que a comida tá envenenada, ou fora da validade, sei lá.

7.5.08

O Caso dos Filhos

Sim, eu e o Leo até escolhemos o nome dos gêmeos (Leomila e Ludnardo, né?), mas ainda não decidimos se vamos querer pequerruchos ou não. Para resolver a questão, saio perguntando pra galera a opinião de cada um, e saibam que esse é um ótimo puxador de conversa, porque todo mundo quer dar seu palpite.

A resposta generalizada é: “filho é muito bom, MAAAAAS dá muito trabalho.” Fico imaginando se essa resposta é um aviso velado que deve ser descodificado como “Fuja! Enquanto é tempo”. Afinal, pessoas integrantes da grande seita da maternidade foram reprogramadas, e portanto não tem permissão para dar uma resposta negativa direta. O máximo que eles podem fazer é dardejar olhares nervosos para o Pedrinho, que está destruindo os bibelôs da vovó mas não pode ser fisicamente reprimido porque a orientadora educacional proibiu. Dá pra desconfiar que o caso é aquele dos amigos que já pularam na piscina gelada e ficam gritando “Vem! Vem! A água tá ótima!”.

Enfim, o assunto está aberto à discussão.

* * *

Perdi mais 300 g desde ontem; o Leo perdeu o quádruplo. As coisas continuam indo bem.

* * *

Projeto Chocolate (em dias):
Lud 3, Chocolate 0

6.5.08

O Caso da Primeira Semana

A primeira semana de dieta é a pior. O corpo exige chocolates. A barriguinha ronca. A cabeça dói. O humor despenca.

Acho que a melhor maneira de enfrentar a primeira semana é não pensar muito nela. Focar a atenção em outras coisas. Já tenho um programa pra cada dia: psicóloga na segunda, dermatologista na terça, salão na quarta. Para quinta eu não tenho nada, mas arrumo alguma coisa, ainda que seja voltar ao salão.

O Leo, pobrezinho, não tem essa válvula de escape. Ele odeia médico, e também não vai a salão (felizmente!). Nossos livros de ficção-científica vencedores do prêmio Nébula já deviam ter chegado, mas estão parados na alfândega por causa da greve dos auditores. Então o jeito dele se distrair é fazer trabalhos de faculdades sobre a evolução dos computadores e os mecanismos de busca na internet.

Tenho fé que, após a primeira semana, tudo melhora. Se não melhorar, não vai ter dinheiro que chegue para o salão de beleza.

* * *

Perdi 500 g e o Leo, o dobro. As coisas vão bem.

* * *

Update do Projeto Chocolate (em dias):
Lud 2, Chocolate 0.

5.5.08

O Caso da Dieta Séria

Então eu e o Leo estamos de dieta até a véspera do aniversário dele, dia 19 de julho. Talvez fosse melhor não falar nada no blogue, e simplesmente aparecermos na festa fagueiros e esbeltos, mas a única coisa divertida numa dieta é reclamar da fome e comemorar cada 100 gramas perdidos (eu diria 50, mas esse pouco a minha balança não registra). Então, aguardem. Só prometo não fazer a lista das comidas do dia, porque aí também é demais.

Nossa dieta séria é séria mesmo. A gente anota tudo que consome numa bonita planilha do excel. Cortamos os doces, sorvetes, chocolates e frituras. Eliminamos as saídas gastronômicas. Quando animados, andamos e corremos. E ainda assistimos com alegria a programas do tipo “Você é o que você come” e “Perder para ganhar”.

Estou animadíssima. Já enchi a geladeira de gelatina light e o armário de chá verde. Além do mais, comemorei tanto meu aniversário (três tipos de brigadeiro! Quatro tipos de champanhe!) que não estou com vontade de comer nada mesmo.