26.6.08

O Caso da Bolsa de Lanche

Todo dia eu trago para o trabalho uma garrafa térmica de chá verde, uma maçã e um iogurte. Tento usar embalagens atraentes para fazê-lo, como a sacola do Museu Marítimo de Amsterdam ou de uma livraria em Auckland. Mas todas elas são de plástico e, depois de um tempo, vão amassando e ficando horrorosas. Sem falar que ninguém nota sua procedência chique.

Agora tenho uma bonita bolsa de pano que minha mamãe fez com os retalhos dos tecidos que eu comprei para as almofadas da sala. Eles eram tão lindos – e tão caros – que eu não tive coragem de jogá-los os restinhos fora.

Aliás, os tais tecidos caríssimos renderam para caramba: cinco almofadas para mim, duas capas para os meus pufes, cinco almofadas para minha irmã, e para finalizar a gloriosa bolsa de lanche. Então no final das contas valeu a pena.

Um comentário:

Anônimo disse...

A dona Ludmila é um luxo!
;)

ADA