23.1.09

O Caso dos Filhinhos

Sim, eu e o Leo até escolhemos o nome dos gêmeos (Leomila e Ludnardo, né?), mas ainda não decidimos se vamos querer pequerruchos ou não. Para resolver a questão, saio perguntando pra galera a opinião de cada um, e saibam que esse é um ótimo puxador de conversa, porque todo mundo quer dar seu palpite.

A resposta generalizada é: “filho é muito bom, MAAAAAS dá muito trabalho.” Fico imaginando se essa resposta é um aviso velado que deve ser descodificado como “Fuja! Enquanto é tempo”. Afinal, pessoas integrantes da grande seita da maternidade foram reprogramadas, e portanto não tem permissão para dar uma resposta negativa direta. O máximo que eles podem fazer é dardejar olhares nervosos para o Pedrinho, que está destruindo os bibelôs da vovó mas não pode ser fisicamente reprimido porque a orientadora educacional proibiu. Dá pra desconfiar que o caso é aquele dos amigos que já pularam na piscina gelada e ficam gritando “Vem! Vem! A água tá ótima!”.

No ano passado, por um breve espaço de tempo, achei que filhos eram uma boa idéia. Em retrospectiva, percebo que a principal causa da decisão era estar meio à toa. Tipo: não estou fazendo nada, então que tal ter uns remelentos? Sim, preencher o tempo é uma péssima razão para reproduzir, e assim que comecei a gastar minhas horas livres planejando uma viagem para Nova York, o espírito maternal passou completamente.

A verdade é que toda vez que encontro meus sobrinhos (um de cinco, uma de um) fico pasma com a quantidade de tempo, energia e paciência que eles demandam. Eles são fofos, não nego, mas o fato de os familiares próximos ficaram completamente absorvidos pelas crianças faz com que seja muito difícil manter as conversações. É perturbador. Fico preocupada: se eu tiver filhos vou ficar assim? Que horror. Se não ficar assim quer dizer que sou uma mãe ruim? Que horror. Vocês percebem que é uma situação na qual eu não tenho como sair vencedora?



Por enquanto a vontade passou.

7 comentários:

Anônimo disse...

Ola Ludmila

Concordo inteiramente contigo. Ha um tempo se me perguntavam quando seria mae eu respondia que ainda nao estava preparada porque nao me sentia bem a dizer que nao queria ter filhos embora ja soubesse que nao queria. Agora como ja passei dos 30 anos e cada vez me preocupo menos com o que os outros acham digo abertamente que NAO quero ter filhos. As pessoas ficam a alhar para mim com um ar absolutamente horrorizado ... como se o sonho de qualquer mulher normal nao pedesse ser outro que nao seja parir.
Beijinhos
Ana

Alex Simpson disse...

Não sei se voce assistiu um filme, o cara ia para futuro e descobria que todo mundo tinha virado idiota. Ele um sujeito comum era um super-genio. A explicação era que toda pessoa inteligente gasta muito tempo para se decidir a se reproduzir, enquanto os idiotas aos 18 anos ja tem dois filhos e aos trinta e poucos, netos. Na minha forma de ver as coisas, acho que isto e inevitavel.

Camilinha disse...

Lud, acho que a gente tem que fazer o que o coração manda.

É claro que o povo fala, mas fazer o quê? Deixa pra lá!

Eu sempre quis ter babies, e até esperaria um pouco mais... Porém, percebi que eu estava me acomodando na minha "vida fácil", planejando outras viagens, e vendo o meu relógio biológico passar... Daí decidi ter logo. E digo mais: não quero só um...

Dá um trampo danado, eles te absorvem, se apoderam dos assuntos do seu blog, da sua vida, da sua carreira, mas é uma experiência inexplicável.

Entretanto, se o seu coração manda não ter pimpolhos, não os tenha. Hoje, nós, mulheres, temos essa opção. Faça a sua conscientemente e seja muito feliz!

Laura disse...

hahahah
Olha não lembro como cheguei aqui, mas a comparação com a piscina de agua gelada foi otima!!! Ja fui reprogramada.. nao posso dizer nada além do MASSSS da trabalho!!!!
Abraçoss

Rita disse...

É assim: nada na vida vai te dar mais trabalho. Nada na vida vai te dar mais alegria.

Fácil, né?

;-)

Na dúvida, não ultrapasse.
Bjs
Rita

Anônimo disse...

TENHA os seus filhos, TENTE os naturais antes de optar pela adoção porque deixou o tempo passar.
Infelizmente, para a maternidade, o tempo corre contra nós...

Obs.: Fui mãe aos 30 e aos 32 e me arrependo de não ter antecipado em pelo menos 5 anos o nascimento deles.

Abraços,
Denise

Anônimo disse...

Ter filhos pq não tem mais nada pra fazer, ou acha que não tem é perigoso. Aí vc pensa que eles precisam preencher a sua vida e te dar a felicidade que as coisas que vc deixou para trás te dariam. E vem aquelas crises, fica se sentindo uma mãe ruim, o povo te cobrando...